Jornal O Clarim

Semanário Católico de Macau

Cultura

Memória Portuguesa no Nordeste da Índia e no Bangladesh – 2

A aculturação como forma de sobrevivência Se no que se refere aos firingis de Rangamati, Hossumpur, Chiroto e Bondashil podemos considerar que há um fio condutor comum, no do estabelecimento católico de Mariamnagar, em Tripura, a situação é bem diversa….

Java Menor – 5

Despojos de guerra Construído originalmente em 1447, o edifício principal do Kraton preserva o chão de mármore e no tecto os candelabros franceses. As colunas piramidais exteriores são invulgarmente altas e toda a estrutura acusa um misto de estilos arquitectónicos…

Java Menor – 4

Portos e crustáceos Em 1552, Fatahillah, futuro Sunan Gunung Jati, abandona Banten com a missão cumprida, e vai pregar para Cirebon onde permanecerá até à data da sua morte, em 1570. Terá nessa altura abdicado em favor do filho Maulana…

Memória Portuguesa no Nordeste da Índia e no Bangladesh – 1

Filhos dos soldados da fortuna. Os portugueses, como é sabido, comportavam-se de forma distinta dos restantes europeus que rumavam ao Oriente. Como lembra, e bem, o académico indiano David R. Syiemlieh, “eles não eram meros viajantes ou comerciantes. Muitos dos…

Java Menor – 3

O santo-guerreiro de Cirebon A conquista islâmica de Sunda – a avaliar pelo relato do cronista João de Barros – foi levada a cabo por um tal Fatiah Allah, “conquistador de Alá”, ou Fatahillah, “vitória de Deus”, nativo de Pasai,…

Java Menor – 2

O poder do cavaquinho Entusiasma-me, de sobremaneira, constatar que a ré dos elegantes barcos de Indramayu é em tudo semelhante aos castelos das antigas naus portuguesas. Aqui mencionamos a ré; mas noutros locais de Java falaríamos de proas alteadas a…

Java Menor – 1

O porto de Cimanuk Demoro algum tempo mas acabo por chegar à conclusão que a Indramayu que tantas vezes visito, afinal, corresponde à Cimanuk mencionada nos textos de Tomé Pires, boticário, autor do primeiro tratado geográfico europeu sobre aquelas paragens….

Rivalidade Luso – Gaulesa na Corte do Filho Celestial

Um episódio médico Em 1687, um século após o estabelecimento, em Shiuhing, da primeira Casa da Companhia de Jesus, assomava aos portões de Pequim um grupo de jesuítas franceses que viajara até à Ásia sob os auspícios e protecção do…

Bengala e o Reino do Dragão – 55

Maamuni e o Elefante Branco Se verdade é que nos rios e ao longo da costa os mogóis sempre fracassavam frente aos arracaneses, convém não esquecer que o potencial dos primeiros – com um exército com mais de setecentos mil…

Bengala e o Reino do Dragão – 54

A ilha dos tubarões No local onde buscaram refúgio os fugitivos de Hugli, a ilha de Saugar (Sagar), todos os anos se realizava uma festividade hindu no decurso da qual os mais devotos, num gesto extremo de sacrifício aos seus…

Bengala e o Reino do Dragão – 53

O mastro do navio Deixámos a semana passada os sobreviventes de Hugli em frenética fuga rio abaixo, perdendo no processo várias barcaças para o inimigo mogol; preservando outras tantas. Tinham até ultrapassado já o pontão e a corrente de argolas…

Bengala e o Reino do Dragão – 52

A fuga fluvial O sucesso do ataque mogol a Hugli era só uma questão de tempo. Não obstante, os portugueses, apesar de muito desfalcados, guardavam na manga uma derradeira cartada. Os bombardeamentos cerrados e contínuos da artilharia inimiga tinham miraculosamente…

Bengala e o Reino do Dragão – 51

O ataque a Hugli Os argumentos do renegado Martim de Melo surtiram efeito e o “poeta” Shaista Khan num instante se transmutou em feroz guerreiro. Tratou logo de colocar à frente do combate o seu filho Ibrahim Khan (nos textos…

Bengala e o Reino do Dragão – 50

O renegado Martim de Melo Todos os habitantes de Hugli eram tidos como vassalos do Grão Mogol e a ele pagavam direitos alfandegários que deixavam satisfeitos o governador da província recentemente conquistada. A alguns dos comerciantes, “os mais importantes da…

Bengala e o Reino do Dragão – 49

Voo sobre os Himalaias A tranquilidade do formoso vale de Paro é quebrada apenas pelos voos em ziguezague das aeronaves da Bhutan Airlines e da Druk Air, as únicas companhias aéreas autorizadas a sobrevoar este estreito pedaço de terra bastante…