Category Archives: Desporto

Fórmula 1 – Época de 2018

Confusão no Defeso

Confusão no Defeso

Começa-se a ver o que a Liberty Media deseja para o futuro da Fórmula 1. A Fórmula 1 a que estamos acostumados deverá desaparecer muito em breve, sendo substituída por algo indefinido por Ross Brawn, o actual “managing director” da categoria detida por novos patrões. Segundo as suas palavras, será algo com carros de desenho «sensacional», que se pareçam com jogos electrónicos de computador. Brawn quer que os carros do futuro «will look sensational in their design and should resemble futuristic video games».

Fórmula E em Hong Kong

Sam Bird e Rosenqvist vencem em Central

Sam Bird e Rosenqvist vencem em Central

Durante o passado fim-de-semana disputou-se a prova inaugural da quarta edição do “All Electric FIA Formula E Championship”, que levou à Região Administrativa Especial de Hong Kong alguma emoção e o velho desejo da cidade vizinha em também ter uma corrida de carros de cariz internacional. Tudo bem, mas o que é a Fórmula E?

A Fórmula E surgiu da necessidade de se adaptar as tecnologias da electricidade motora a monolugares de desporto.

Fórmula 1 – Época de 2017

Fim de Circo... e o futuro incerto

Fim de Circo… e o futuro incerto

Estamos a chegar ao fim, com o cair do pano em Abu Dhabi, nos Emiratos Árabes Unidos. O Circuito de Yas Marina, na ilha artificial Yas Island, é considerado um dos mais sofisticados do mundo. Foi criado de raiz para a Fórmula 1, se bem que seja utilizado por outro tipos de carros e motos, incluindo uma fórmula “residente”. A Formula Yas 3000, muito pouco conhecida do público, foi desenvolvida pela equipa técnica da Cosworth (outrora a maior fornecedora de motores para a Fórmula 1). É uma fórmula de aluguer (poder-se-á assim designar), onde se pode experimentar as emoções de conduzir um monolugar, durante uma hora, por 473 dólares americanos (três mil 780 patacas).

Fórmula 1 – Época de 2017

Massa despede-se do Brasil

Massa despede-se do Brasil

O Circo desta temporada está a chegar ao fim. Assistiremos à retirada de Felipe Massa, pela segunda vez. O “massinha”, como é conhecido o piloto brasileiro, regressou da sua “aposentadoria relâmpago”, a pedido da Williams, para apoiar o jovem piloto canadense Lance Stroll, que se estreava na Fórmula 1. Stroll foi ocupar o lugar deixado vago com a transferência de Valtteri Bottas para a Mercedes. Com a saída de Felipe Massa, pela primeira vez em muitos anos não haverá pilotos brasileiros na Fórmula 1 em 2018.

Fórmula 1 – Época de 2017

Hamilton ganha... se Vettel for sétimo

Hamilton ganha… se Vettel for sétimo

Este fim de semana disputa-se o Grande Prémio dos Estados Unidos, no Circuito das Américas, mais um nome pomposo para um autódromo. Quando se sabe que nos “States” há mais circuitos para corridas de desportos motorizados do que campos de futebol, baptizar uma pista de Circuito das Américas é, no mínimo, extravagante. Este traçado, relativamente novo, inaugurado em 2012, é do agrado de todos (ou de quase todos) os pilotos e pessoal das equipas. Como já vem sendo hábito, foi desenhado por Hermann Tilke, desta vez com a colaboração de arquitectos locais. O aproveitamento das especificidades do terreno fá-lo ser um desafio constante para os pilotos.

Fórmula 1 – Época de 2017

Sepang e Suzuka, o touro espreita

Sepang e Suzuka, o touro espreita

Nos próximos dias 1 e 8 de Outubro disputam-se os Grandes Prémios da Malásia e do Japão, respectivamente – dois circuitos onde as diferenças são visíveis e que fecham a digressão asiática da Fórmula 1 este ano; ambos são “favoritos” de todos os pilotos, mesmo os das fórmulas mais pequenas que ali se disputam.

O Circuito de Sepang foi inaugurado em 1999, no tempo do Primeiro-Ministro Mahathir Mohamad, sempre com o objectivo de colocar a Malásia no mapa político e industrial da região.

Fórmula 1 – Época de 2017

Singapura e não só

Singapura e não só

Este fim de semana disputa-se o Grande Prémio da cidade-Estado de Singapura em Fórmula 1 – uma prova muito polémica, talvez a mais polémica do calendário. Se, por um lado, a FIA fala em motores ecológicos, para se diminuir a pegada do carbono, por outro lado, aceita realizar os Grandes Prémios nocturnos de Singapura, no Circuito de Marina Bay, e de Abu Dhabi, no Circuito de Yas Marina, sendo que ambos necessitam de uma enorme quantidade de energia eléctrica que não aparece do nada… tem que ser produzida!

Fórmula 1 – Época de 2017

2 em 1

2 em 1

Hoje, sexta-feira, 18 de Agosto, vamos duas semanas de férias, pelo que fazemos a antevisão das duas próximas provas do calendário da Fórmula 1 (Bélgica e Itália). Como sempre, revelamos um pouco do que se vai passando no Grande Circo, principalmente na época da “Silly Season” (literalmente a “Estação Estúpida”), em que os boatos e as notícias se confundem desde o começo da Fórmula 1 em 1950.

Na ordem do dia, sem dúvida, está o regresso – ou a “ressurreição” – de Robert Kubica.

Fórmula 1 – Época de 2017

Batalha de Hungaroring

Batalha de Hungaroring

A FIA (Federação Internacional do Automóvel) habituou-nos, ao longo dos anos, a algumas decisões absurdas, sempre no “melhor interesse” do desporto automóvel. Algumas dessas decisões desaparecem cedo, sem deixar saudades, sendo que umas poucas vão sobrevivendo de ano para ano, com consequências estúpidas, muitas vezes sem que as pessoas se apercebam dos estragos causados.

Fórmula 1 – Época de 2017

Nervos em franja

Nervos em franja

No passado dia 25 de Junho disputou-se o Grande Prémio do Azerbaijão em Fórmula 1. Houve quem dissesse que foi uma grande corrida, e quem, pelo contrário, afirmasse ter sido uma corrida para esquecer. Concordamos com as duas opiniões, se bem que contraditórias. Uma corrida que tem três “safety cars” em vinte minutos e tem de neutralizar a corrida ainda antes de ter atingido o seu primeiro terço, diz muito, de mal, sobre tudo o que aconteceu. Falhou o circuito, a organização, os comissários, e mesmo os pilotos… Não se pode esquecer que são estes os principais actores do espectáculo.

Fórmula 1 – Época de 2017

Vettel - Hamilton, capítulo 8

Vettel – Hamilton, capítulo 8

O Grande Prémio do Azerbaijão volta a ser incluído no calendário do Campeonato do Mundo de Fórmula 1. O circuito da capital, Baku, tem muito de Mónaco e de Macau. Circuito citadino, com os muros a pouco centímetros dos carros, que permite apreciar a condução pura. Qualquer deslize deixa o piloto apeado, na triste condição de espectador. Por outro lado, Baku possui a recta mais longa da actual Fórmula 1, com os seus 2,2 quilómetros de aceleração constante, que nos faz lembrar o Circuito do Castellet/Paul Ricard, em França, ou o Monte Fuji, no Japão.

Fórmula 1 – Época de 2017

Protecção de Notre Dame. Será?

Protecção de Notre Dame. Será?

Muito recentemente, um amigo perguntou-me porque é que a Fórmula 1 é chamada de “Circo”, e se Fernando Alonso teria feito bem em tentar vencer a famosa “Indy500”. Uma coisa de cada vez! Penso já ter explicado há uns tempos, mas aqui vai, uma vez mais, o porquê de “Circo”. No seu começo, extremamente modesto para os padrões de hoje, nos idos de 1950, as equipas de Fórmula 1, e de quase todas as outras categorias que disputavam corridas de automóveis, fosse a Fórmula 1, fossem os carros das equipa de “Endurance” (Sport Protótipos) ou de Turismos, e mesmo de Motos e Karts, usavam autocarros adaptados para transportar carros, peças suplementares, mecânicos e, em muitas ocasiões, pilotos e convidados VIP.

Fórmula 1 – Época de 2017

Mónaco e Alonsomania

Mónaco e Alonsomania

Este fim de semana o Grande Circo desloca-se ao Principado do Mónaco. Sobre o circuito citadino do minúsculo território pouco ou nada há a dizer. Glamour, celebridades, grandes iates e milhares e milhares de curiosos que viajam até Monte Carlo, como se fossem em peregrinação, apenas uma vez por ano, atraídos por tudo, menos pelos bólides das diversas categorias, pelos pilotos e equipas que durante quatro dias dão colorido à pequena urbe.

Fórmula 1 – Época de 2017

De novo, o Velho Continente

De novo, o Velho Continente

O circo da Fórmula 1 regressa à Europa depois da digressão inicial pela Austrália, China, Bahrain e Rússia. O Grande Prémio de Espanha é disputado no Circuito de Barcelona-Catalunha desde 1991. Para além de ser utilizado pela Fórmula 1 há bastante tempo, o autódromo, que se encontra perto da cidade de Montmeló, serve como pista de testes oficiais da FIA (Federação Internacional do Automóvel) por todas as equipas da Fórmula 1, num mínimo de duas vezes por ano.

Fórmula 1 – Época de 2017

“Oh dear…”

“Oh dear…”

As primeiras três corridas dos campeonatos do mundo de Fórmula 1 – pilotos e construtores – já são história e muito se pode agora dizer sobre as possíveis ambições de cada equipa.

A Ferrari, pela mão de Sebastian Vettel, mostrou que quer esquecer o passado recente. Desde 2007, com a vitória de Kimi Raikkonen, que a Ferrari tem visto os seus carros serem desfeiteados – repetidamente – por outras equipas. A marca de Maranello tem estado apagada, apesar de ter grandes pilotos e carros fantásticos, mas por uma ou outra razão a vitória tem iludido a Scuderia.