Category Archives: Desporto

Fórmula 1 – Época de 2017

Batalha de Hungaroring

Batalha de Hungaroring

A FIA (Federação Internacional do Automóvel) habituou-nos, ao longo dos anos, a algumas decisões absurdas, sempre no “melhor interesse” do desporto automóvel. Algumas dessas decisões desaparecem cedo, sem deixar saudades, sendo que umas poucas vão sobrevivendo de ano para ano, com consequências estúpidas, muitas vezes sem que as pessoas se apercebam dos estragos causados.

Fórmula 1 – Época de 2017

Nervos em franja

Nervos em franja

No passado dia 25 de Junho disputou-se o Grande Prémio do Azerbaijão em Fórmula 1. Houve quem dissesse que foi uma grande corrida, e quem, pelo contrário, afirmasse ter sido uma corrida para esquecer. Concordamos com as duas opiniões, se bem que contraditórias. Uma corrida que tem três “safety cars” em vinte minutos e tem de neutralizar a corrida ainda antes de ter atingido o seu primeiro terço, diz muito, de mal, sobre tudo o que aconteceu. Falhou o circuito, a organização, os comissários, e mesmo os pilotos… Não se pode esquecer que são estes os principais actores do espectáculo.

Fórmula 1 – Época de 2017

Vettel - Hamilton, capítulo 8

Vettel – Hamilton, capítulo 8

O Grande Prémio do Azerbaijão volta a ser incluído no calendário do Campeonato do Mundo de Fórmula 1. O circuito da capital, Baku, tem muito de Mónaco e de Macau. Circuito citadino, com os muros a pouco centímetros dos carros, que permite apreciar a condução pura. Qualquer deslize deixa o piloto apeado, na triste condição de espectador. Por outro lado, Baku possui a recta mais longa da actual Fórmula 1, com os seus 2,2 quilómetros de aceleração constante, que nos faz lembrar o Circuito do Castellet/Paul Ricard, em França, ou o Monte Fuji, no Japão.

Fórmula 1 – Época de 2017

Protecção de Notre Dame. Será?

Protecção de Notre Dame. Será?

Muito recentemente, um amigo perguntou-me porque é que a Fórmula 1 é chamada de “Circo”, e se Fernando Alonso teria feito bem em tentar vencer a famosa “Indy500”. Uma coisa de cada vez! Penso já ter explicado há uns tempos, mas aqui vai, uma vez mais, o porquê de “Circo”. No seu começo, extremamente modesto para os padrões de hoje, nos idos de 1950, as equipas de Fórmula 1, e de quase todas as outras categorias que disputavam corridas de automóveis, fosse a Fórmula 1, fossem os carros das equipa de “Endurance” (Sport Protótipos) ou de Turismos, e mesmo de Motos e Karts, usavam autocarros adaptados para transportar carros, peças suplementares, mecânicos e, em muitas ocasiões, pilotos e convidados VIP.

Fórmula 1 – Época de 2017

Mónaco e Alonsomania

Mónaco e Alonsomania

Este fim de semana o Grande Circo desloca-se ao Principado do Mónaco. Sobre o circuito citadino do minúsculo território pouco ou nada há a dizer. Glamour, celebridades, grandes iates e milhares e milhares de curiosos que viajam até Monte Carlo, como se fossem em peregrinação, apenas uma vez por ano, atraídos por tudo, menos pelos bólides das diversas categorias, pelos pilotos e equipas que durante quatro dias dão colorido à pequena urbe.

Fórmula 1 – Época de 2017

De novo, o Velho Continente

De novo, o Velho Continente

O circo da Fórmula 1 regressa à Europa depois da digressão inicial pela Austrália, China, Bahrain e Rússia. O Grande Prémio de Espanha é disputado no Circuito de Barcelona-Catalunha desde 1991. Para além de ser utilizado pela Fórmula 1 há bastante tempo, o autódromo, que se encontra perto da cidade de Montmeló, serve como pista de testes oficiais da FIA (Federação Internacional do Automóvel) por todas as equipas da Fórmula 1, num mínimo de duas vezes por ano.

Fórmula 1 – Época de 2017

“Oh dear…”

“Oh dear…”

As primeiras três corridas dos campeonatos do mundo de Fórmula 1 – pilotos e construtores – já são história e muito se pode agora dizer sobre as possíveis ambições de cada equipa.

A Ferrari, pela mão de Sebastian Vettel, mostrou que quer esquecer o passado recente. Desde 2007, com a vitória de Kimi Raikkonen, que a Ferrari tem visto os seus carros serem desfeiteados – repetidamente – por outras equipas. A marca de Maranello tem estado apagada, apesar de ter grandes pilotos e carros fantásticos, mas por uma ou outra razão a vitória tem iludido a Scuderia.

Fórmula 1 – Época de 2017

China e Bahrain: o início das conquistas

China e Bahrain: o início das conquistas

Nós, que gostamos de seguir todos os pequenos detalhes do desporto motorizado a que se convencionou chamar “Fórmula 1”, que em anos recentes temos visto as suas lutas internas (contínuas) para se manter como o pináculo máximo da competição automóvel, esperávamos mais dos novos regulamentos. De facto, os novos carros são realmente mais rápidos do que os do ano passado, em cerca de seis segundos por volta. Com aerodinâmicas melhoradas e pneus de maiores dimensões, têm mais aderência e entram e saem mais depressa das curvas, em comparação aos anos anteriores. E daí? Melhorou o espectáculo? Não!

Fórmula 1 – Época de 2017

Todos são favoritos

Todos são favoritos

A Fórmula 1 regressa à vida, uma vez mais, no Circuito de Melbourne (Austrália), para uma nova era que se deseja mais excitante e competitiva que as últimas dez. Depois dos testes efectuados por todas as equipas, apenas uma mostrou resultados negativos. A McLaren regressou das férias de Inverno com grandes expectativas, devido aos bons testes do conjunto motor da Honda, completamente redesenhado, efectuados na fábrica da construtora. No entanto, algo não correu bem nos testes de Barcelona, no Circuito da Catalunha, e os carros cor de laranja e pretos foram os que menos voltas completaram, debatendo-se com graves problemas em tudo um pouco.

Fórmula 1 – Época de 2017

Mais uma temporada

Mais uma temporada

Como dissemos antes, a Fórmula 1 foi submetida a grandes alterações. Desde a gestão ao aspecto dos carros, quase tudo mudou. Os novos “patrões” desta categoria do desporto automóvel irão em breve começar a fazer alterações de “auto-denominada” importância vital. Não se sabe o quê, como e quando.

As equipas com os seus novos carros, pessoal técnico, apoio logístico, esperanças e objectivos, seguidas por um exército de jornalistas, rumaram a Barcelona, ao Circuito da Catalunha, como sempre tem sido desde há cerca de trinta anos, sob a “batuta” do (então) maestro Bernie Ecclestone.

Fórmula 1 – Época de 2017

A Nova Fórmula

A Nova Fórmula

Será, na realidade, uma nova Fórmula 1, aquela que irá testar os seus novos carros no Circuito da Catalunha, Barcelona. Nova… em muitos aspectos.

Os novos regulamentos técnicos foram feitos com o único intuito de travar o voo das “Flechas de Prata” da Mercedes Benz. Os carros da marca de Estugarda dominaram tudo e todos durante os últimos três anos, devido ao extenso conhecimento da tecnologia turbo. Três anos, três campeonatos do mundo de construtores e outros tantos de pilotos, foi o saldo positivo da Mercedes.

Fórmula 1 – Época de 2016

Até ao cair do pano

Até ao cair do pano

Este fim de semana disputa-se o Grande Prémio de Abu Dhabi em Fórmula 1. O Circuito de Yas Marina é um dos mais espectaculares – senão o mais espectacular – dos que foram desenhados por Hermann Tilke. Tudo o que se possa imaginar, que deva existir num circuito de corridas de automóveis, está lá. O circuito está no meio do deserto, mas junto à capital. O facto de ter uma grande área de água perto do complexo desportivo ajuda a minorar as elevadas temperaturas que se fazem sentir, acima dos trinta graus centígrados durante o dia, que contrastam com uns “meros” vinte (ou menos) durante a noite.

Fórmula 1 – Época de 2016

Circo pega fogo

Circo pega fogo

Esta semana começamos pelo Grande Prémio do México, disputado há quinze dias. Uma vez mais houve grande dualidade de critérios por parte dos comissários, que beneficiaram alguns pilotos e prejudicaram outros. Logo na largada, Lewis Hamilton, com o seu Mercedes, “cortou” as duas primeiras curvas, ganhando uma vantagem muito significativa sobre todos os outros participantes.

Fórmula 1 – Época de 2016

Ansiedade no “Paddock”

Ansiedade no “Paddock”

O desporto automóvel, em especial a Fórmula 1, tem vindo a desgastar a sua imagem: por vezes muito depressa, por culpa própria, com decisões absurdas, regulamentos fantasistas e o domínio monomarcas que se tem sentido desde o início deste século; por vezes mais lentamente, com acções e resoluções que afastam os fãs dos circuitos, da frente dos televisores e das livrarias que vendem revistas especializadas.

Muitos dizem que a Fórmula 1 está a morrer aos poucos com as decisões de Bernie Ecclestone.

Fórmula 1 – Época de 2016

Malásia aprovada. Japão, como será?

Malásia aprovada. Japão, como será?

Todos nos habituámos, nos últimos anos, a corridas enfadonhas, a autênticas procissões, a ponto de alguns comentadores terem avançado com a excêntrica ideia de não se fazer a corrida em si – bastava os treinos e as qualificações, visto que ficava tudo na mesma no final da cada corrida. Atribuíam-se os prémios de acordo com os tempos efectuados e esqueciam-se as eventuais falhas mecânicas, os acidentes, etc. Como se quer reduzir os custos sempre crescentes da Fórmula 1, este seria um meio de alcançar tal objectivo.