Category Archives: Desporto

Fórmula 1 – Época de 2018

Seis corridas, três vencedores. Quem ganhará no Canadá?

Seis corridas, três vencedores. Quem ganhará no Canadá?

O Mónaco, com todo o seu fascínio e “glamour”, mostrou uma vez mais o seu anacronismo obsoleto enquanto circuito de Fórmula 1. Na última corrida do Principado muitos dos pilotos reclamaram das condições do “traçado lendário”, que nos ofereceu a pior corrida dos últimos tempos, com muito pilotos, entre eles Lewis Hamilton, a classificar a prova de “dull” (enfadonha, maçadora) e absurda, tendo mesmo afirmado que «não foi realmente uma corrida». E não foram só os pilotos “consagrados” a reclamar. Os aspirantes a “jovens lobos” também criticaram o circuito e as limitações apresentadas para quase todos os modelos de carros que ainda teimam a disputar corridas no Principado, em nome de uma hipotética tradição.

Fórmula 1 – Época de 2018

Mónaco: jackpot da Mercedes ou contra-ataque da Ferrari

Mónaco: jackpot da Mercedes ou contra-ataque da Ferrari

A 76ª edição do Grande Prémio de Fórmula 1 do Mónaco – nascido em 1929 como Grande Prémio Automóvel do Mónaco – será disputada este fim de semana, entre hoje e Domingo, nas ruas estreitas e sinuosas do Principado do Mónaco.

O Grande Prémio de Formula 1 do Mónaco continua a ser um dos maiores polos de atracção de pilotos, esquipas, jornalistas e, mais especialmente, de elementos da “dolce vita” ou do “jet-set” internacional. Dizem as más línguas que pelo menos trinta por cento das pessoas que se vão acotovelar no Principado durante o fim de semana não tem nada a ver com as corridas que se irão disputar.

Fórmula 1 – Época de 2018

Depois da lotaria de Baku, a incerteza da Catalunha

Depois da lotaria de Baku, a incerteza da Catalunha

Este fim-de-semana a Fórmula 1 regressa a Espanha, mais concretamente a Barcelona e ao “Circuit de Catalunya”. Este autódromo tem sido usado para os testes oficiais de pré-temporada há muitos anos e as equipas já conheciam todos os cantos à casa. Sim, “conheciam”. O facto do piso ter sido totalmente refeito, com um asfalto mais polido e suave para os pneus, levou a que as equipas voltassem aos simuladores de testes de pista, para entenderem o que foi alterado. O frio siberiano que se fez sentir também não ajudou em nada na recolha dos dados técnicos.

No que respeita ao campeonato corrido até ao momento, ao fim de quatro provas a hierarquia ainda não foi estabelecida.

Fórmula 1 – Época de 2018

Circo Romano ou desporto automóvel?

Circo Romano ou desporto automóvel?

A Fórmula 1, pelo menos nos canais da Fox Sports, emite um desagradável “clip” de publicidade… à Fórmula 1. Se olharmos e ouvirmos com atenção, reparamos que não se consegue descortinar um único momento de desporto automóvel. Vê-se apenas uma quantidade de acidentes, incidentes, choques e aparentes explosões, acompanhadas por uma voz em “off”, excitadíssima, literalmente aos berros, que diz: “Chaotic, Crazy, What a Race!” (caótica, louca, que corrida!). É isto que querem que a Fórmula 1 seja? Caótica, louca, cheia de acidentes? Voltámos aos tempos da antiga Roma, em que quanto mais sangue fosse derramado maior a excitação!?

Fórmula 1 – Época de 2018

Sorte, muita sorte e aselhice

Sorte, muita sorte e aselhice

Albert Park, Melbourne, Austrália. Foi a primeira corrida do Campeonato do Mundo de Fórmula 1 deste ano. Depois dos testes de Barcelona tudo eram sorrisos, confiança e certezas. Os verdadeiros favoritos? Ah! Esses eram os mesmos de sempre. Mercedes, Ferrari e Red Bull. As outras sete equipas, aparentemente, só teriam de fazer o seu papel de “figurantes” e ver o tempo passar.

As duas “prima donas”, Lewis Hamilton pela Mercedes e Sebastian Vettel pela Ferrari, digladiaram-se desde os primeiros treinos livres.

Fórmula 1 – Época de 2018

É já no Domingo

É já no Domingo

Como vêm dizendo algumas cadeias de televisão, “novo campeonato, nova era!”. Ficamos sem saber se para melhor se para pior.

Apesar de várias instituições terem tentado reverter a decisão da Liberty Media de acabar com a presença das “grid” e “podium girls”, a ideia vai mesmo para à frente e lá estarão uma quantidade de moçoilos a fazerem o papel das meninas. Já ouvimos, ao vivo e na televisão, muitas opiniões, muitas críticas feias e mesmo insultuosas, como resposta (ineficaz) a esta e outras decisões dos novos patrões da Fórmula 1 e dos seus apêndices directos – leia-se, tudo o que faz parte do Grande Circo, seja em definitivo ou temporário no calendário da Fórmula 1, tais como as fórmulas GP3 e GP2, Supercarros, etc.).

Fórmula 1 – Época de 2018

Mercedes à frente... em testes inconclusivos

Mercedes à frente… em testes inconclusivos

Após as férias, curtas para uns, longas para outros, a Fórmula 1 regressou ao trabalho, como sempre em Espanha, no Circuito de Barcelona-Catalunha, um autódromo que também já se chamou Montmeló. Os nomes referem-se ao local onde se disputa o Grande Prémio de Espanha de Fórmula 1 e muitas outras competições de carros e motos durante todo o ano.

Construído em 1991 é o local de eleição para os primeiros testes da categoria, sendo ali realizados todos os anos durante quatro dias entre finais de Fevereiro e início de Março, e mais quatro dias duas semanas depois.

Fórmula 1 – Época de 2018

Para onde me levas Liberty?

Para onde me levas Liberty?

Desde o início de 2016, quando a Liberty Media adquiriu todos os direitos da Fórmula 1, têm-se vindo a implementar nova regras e regulamentos mal aceites no interior do mundo da Fórmula 1 e mal vistos pelos fãs. O Halo, que ainda não conseguiu ser bem digerido pelos pilotos e “staff” das equipas, causa estranheza entre os espectadores menos informados, que perguntam “para que é que aquilo serve?”. De facto, a razão apresentada tem pouco mérito, pois baseia-se em apenas dois casos extremos de acidentes, um dos quais mortal. Primeiro, o acidente com Felipe Massa na Hungria, em que piloto brasileiro foi atingido por uma mola helicoidal que se soltou do carro que seguia à sua frente.

Fórmula 1 – Época de 2018

Confusão no Defeso

Confusão no Defeso

Começa-se a ver o que a Liberty Media deseja para o futuro da Fórmula 1. A Fórmula 1 a que estamos acostumados deverá desaparecer muito em breve, sendo substituída por algo indefinido por Ross Brawn, o actual “managing director” da categoria detida por novos patrões. Segundo as suas palavras, será algo com carros de desenho «sensacional», que se pareçam com jogos electrónicos de computador. Brawn quer que os carros do futuro «will look sensational in their design and should resemble futuristic video games».

Fórmula E em Hong Kong

Sam Bird e Rosenqvist vencem em Central

Sam Bird e Rosenqvist vencem em Central

Durante o passado fim-de-semana disputou-se a prova inaugural da quarta edição do “All Electric FIA Formula E Championship”, que levou à Região Administrativa Especial de Hong Kong alguma emoção e o velho desejo da cidade vizinha em também ter uma corrida de carros de cariz internacional. Tudo bem, mas o que é a Fórmula E?

A Fórmula E surgiu da necessidade de se adaptar as tecnologias da electricidade motora a monolugares de desporto.

Fórmula 1 – Época de 2017

Fim de Circo... e o futuro incerto

Fim de Circo… e o futuro incerto

Estamos a chegar ao fim, com o cair do pano em Abu Dhabi, nos Emiratos Árabes Unidos. O Circuito de Yas Marina, na ilha artificial Yas Island, é considerado um dos mais sofisticados do mundo. Foi criado de raiz para a Fórmula 1, se bem que seja utilizado por outro tipos de carros e motos, incluindo uma fórmula “residente”. A Formula Yas 3000, muito pouco conhecida do público, foi desenvolvida pela equipa técnica da Cosworth (outrora a maior fornecedora de motores para a Fórmula 1). É uma fórmula de aluguer (poder-se-á assim designar), onde se pode experimentar as emoções de conduzir um monolugar, durante uma hora, por 473 dólares americanos (três mil 780 patacas).

Fórmula 1 – Época de 2017

Massa despede-se do Brasil

Massa despede-se do Brasil

O Circo desta temporada está a chegar ao fim. Assistiremos à retirada de Felipe Massa, pela segunda vez. O “massinha”, como é conhecido o piloto brasileiro, regressou da sua “aposentadoria relâmpago”, a pedido da Williams, para apoiar o jovem piloto canadense Lance Stroll, que se estreava na Fórmula 1. Stroll foi ocupar o lugar deixado vago com a transferência de Valtteri Bottas para a Mercedes. Com a saída de Felipe Massa, pela primeira vez em muitos anos não haverá pilotos brasileiros na Fórmula 1 em 2018.

Fórmula 1 – Época de 2017

Hamilton ganha... se Vettel for sétimo

Hamilton ganha… se Vettel for sétimo

Este fim de semana disputa-se o Grande Prémio dos Estados Unidos, no Circuito das Américas, mais um nome pomposo para um autódromo. Quando se sabe que nos “States” há mais circuitos para corridas de desportos motorizados do que campos de futebol, baptizar uma pista de Circuito das Américas é, no mínimo, extravagante. Este traçado, relativamente novo, inaugurado em 2012, é do agrado de todos (ou de quase todos) os pilotos e pessoal das equipas. Como já vem sendo hábito, foi desenhado por Hermann Tilke, desta vez com a colaboração de arquitectos locais. O aproveitamento das especificidades do terreno fá-lo ser um desafio constante para os pilotos.

Fórmula 1 – Época de 2017

Sepang e Suzuka, o touro espreita

Sepang e Suzuka, o touro espreita

Nos próximos dias 1 e 8 de Outubro disputam-se os Grandes Prémios da Malásia e do Japão, respectivamente – dois circuitos onde as diferenças são visíveis e que fecham a digressão asiática da Fórmula 1 este ano; ambos são “favoritos” de todos os pilotos, mesmo os das fórmulas mais pequenas que ali se disputam.

O Circuito de Sepang foi inaugurado em 1999, no tempo do Primeiro-Ministro Mahathir Mohamad, sempre com o objectivo de colocar a Malásia no mapa político e industrial da região.

Fórmula 1 – Época de 2017

Singapura e não só

Singapura e não só

Este fim de semana disputa-se o Grande Prémio da cidade-Estado de Singapura em Fórmula 1 – uma prova muito polémica, talvez a mais polémica do calendário. Se, por um lado, a FIA fala em motores ecológicos, para se diminuir a pegada do carbono, por outro lado, aceita realizar os Grandes Prémios nocturnos de Singapura, no Circuito de Marina Bay, e de Abu Dhabi, no Circuito de Yas Marina, sendo que ambos necessitam de uma enorme quantidade de energia eléctrica que não aparece do nada… tem que ser produzida!