Category Archives: Desporto

Fórmula 1 – Época de 2016

Circo pega fogo

Circo pega fogo

Esta semana começamos pelo Grande Prémio do México, disputado há quinze dias. Uma vez mais houve grande dualidade de critérios por parte dos comissários, que beneficiaram alguns pilotos e prejudicaram outros. Logo na largada, Lewis Hamilton, com o seu Mercedes, “cortou” as duas primeiras curvas, ganhando uma vantagem muito significativa sobre todos os outros participantes.

Fórmula 1 – Época de 2016

Ansiedade no “Paddock”

Ansiedade no “Paddock”

O desporto automóvel, em especial a Fórmula 1, tem vindo a desgastar a sua imagem: por vezes muito depressa, por culpa própria, com decisões absurdas, regulamentos fantasistas e o domínio monomarcas que se tem sentido desde o início deste século; por vezes mais lentamente, com acções e resoluções que afastam os fãs dos circuitos, da frente dos televisores e das livrarias que vendem revistas especializadas.

Muitos dizem que a Fórmula 1 está a morrer aos poucos com as decisões de Bernie Ecclestone.

Fórmula 1 – Época de 2016

Malásia aprovada. Japão, como será?

Malásia aprovada. Japão, como será?

Todos nos habituámos, nos últimos anos, a corridas enfadonhas, a autênticas procissões, a ponto de alguns comentadores terem avançado com a excêntrica ideia de não se fazer a corrida em si – bastava os treinos e as qualificações, visto que ficava tudo na mesma no final da cada corrida. Atribuíam-se os prémios de acordo com os tempos efectuados e esqueciam-se as eventuais falhas mecânicas, os acidentes, etc. Como se quer reduzir os custos sempre crescentes da Fórmula 1, este seria um meio de alcançar tal objectivo.

Fórmula 1 – Época de 2016

Sepang propícia à Ferrari

Sepang propícia à Ferrari

Disputa-se este fim de semana o Grande Prémio da Malásia, no Circuito Internacional de Sepang, situado perto do aeroporto internacional de Kuala Lumpur, a cerca de 45 quilómetros da capital malaia.

Se nos últimos 17 anos a Malásia acolheu os carros de Fórmula 1 num super-circuito, estudado e desenhado, uma vez mais, pelo arquitecto Hermann Tilke, para ter tudo e mais alguma coisa de modo a impressionar os pilotos, os elementos das equipas e os jornalistas, precisamos lembrar os tempos áureos do desporto motorizado, que se entrelaçam profundamente com o Grande Prémio de Macau.

Fórmula 1 – Época de 2016

Singapura: Hamilton ou Rosberg?

Singapura: Hamilton ou Rosberg?

O Grande Prémio de Singapura tem vindo a afirmar-se como um dos grandes clássicos do calendário da Fórmula 1, com a sequência de curvas mistas, tanto de alta como de baixa velocidade; a dificuldade em se saber exactamente onde se está, devido às barreiras amarelas uniformes; e um piso com todas as qualidades possíveis, desde o muito bom ao muito mau.

Fórmula 1 – Época De 2016

Filhos e enteados

Aparentemente o desporto automóvel, incluindo a Fórmula 1, corre desordenado para um colapso que se advinha. Steve O’Donnell, da NASCAR (corridas de “Stock Cars” dos Estados Unidos), gostaria de ver mais pessoas nas bancadas do santuário do automobilismo, o Indianapolis Motor Speedway. No passado fim de semana, para duas corridas desta categoria, estiveram nas bancadas cerca de cinquenta mil pessoas. O estádio alberga mais de 250 mil lugares…

Fórmula 1 – Época de 2016

Um duelo anunciado

Um duelo anunciado

Como se costuma dizer, “a fama vem de longe”. Falamos da confusão instaurada na Fórmula 1, com a guerra privada entre dois pilotos da mesma equipa, Nico Rosberg e Lewis Hamilton, para azar de muita gente e felicidade de muitos mais.

A equipa alemã Mercedes está acostumada a vencer desde “os tempos do antigamente”. A década de trinta do século passado assistiu a um duelo alemão, entre a Auto Union e a Mercedes – está última comandada pelo famoso Alfred Neubauer, o primeiro chefe de uma equipa moderna, era extremamente organizada e competitiva, nunca tendo deixado que os seus pilotos se digladiassem.

Fórmula 1 – Época de 2016

Baku, Ricciardo e muitas incertezas

Baku, Ricciardo e muitas incertezas

Há menos de quinze dias o patrão da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, falava em aumentar o número de Grandes Prémios para 22, afirmação que deixou muito boa gente de orelha torcida no “paddock”. Na passada sexta feira o mesmo Ecclestone afirmou, com o ar mais inocente deste mundo, que muito provavelmente teria que deixar de fora três Grandes Prémios porque o calendário estava a ficar muito pesado.

Fórmula 1 – Época de 2016

2 em 1

2 em 1

2 em 1 porque se disputam dois Grandes Prémios de Fórmula 1 em dois fins de semana seguidos. Neste corre-se o Grande Prémio do Canadá, em Montreal, no Circuito Gilles-Villeneuve, e no próximo o Grande Prémio da Europa, em Baku, no Circuito Cidade de Baku.

Se o primeiro circuito é sobejamente conhecido por todas as equipas que já por lá passaram – está em actividade desde 1978, sendo que os dados recolhidos pelas equipas dava para editar, não um, mas uma vasta série de livros sobre a afinação dos diversos tipos de carros de Fórmula 1, previsões climatéricas, pneus, etc., etc. – a pista onde se irá disputar o novíssimo Grande Prémio do Azerbaijão é um tiro no escuro.

Fórmula 1 – Época de 2016

Menino prodígio

Menino prodígio

Menino prodígio, de seu nome Max Emilian Verstappen, piloto de Fórmula 1, filho de um ex-piloto de Fórmula 1… Até aqui, nada de muito especial! Vimos outros filhos de ex-pilotos, incluindo o filho (Damon Hill) de um ex-bicampeão do mundo, Sir Graham Hill, o único a mostrar “serviço” a sério, sagrando-se também ele campeão do mundo em 1996, e Jacques Villeneuve, que também foi campeão do mundo, embora o pai, o “incrível” Gilles, nunca tenha conseguido alcançar esse objectivo.

Fórmula 1 – Época de 2016

Regresso à Europa e o “azar” de Hamilton

Regresso à Europa e o “azar” de Hamilton

O Circo da Fórmula 1 regressa ao Velho Continente depois das quatro primeiras corridas terem ocorrido longe de “casa”. A próxima prova é o Grande Prémio de Espanha, no Circuito da Catalunha, considerado um pouco por todas as equipas como o seu “quintal” particular. Este facto justifica-se por ser este o circuito escolhido pela Federação Internacional do Automóvel (FIA) para acolher todos os testes oficiais da categoria – resumem-se a três testes, com a duração de quatro dias cada, desde há cerca de oito anos. A redução do número de testes imposta pela FIA teve como objectivo a redução de custos mas, como sempre, os custos cresceram até se tornarem insuportáveis, o que tem levado as equipas mais pequenas a aparecerem e desaparecerem com bastante frequência.

Fórmula 1 – Época de 2016

Fora da pista (ou da vista)

Fora da pista (ou da vista)

O “Paddock” é um local muito curioso, típico do desporto automóvel. Começou por ser o espaço onde os carros eram preparados para as corridas, visto naquele tempo não existirem as fantásticas instalações actualmente disponíveis em todos os circuitos do mundo. Qualquer lugar servia, desde que tivesse espaço para colocar os carros, ferramentas e toda a parafernália de equipamentos necessários para a preparação dos mesmos. Naquele anos áureos do desporto automóvel, muitas das vezes – quase sempre – as corridas eram disputadas em locais ermos, desprovidos de qualquer tipo de conforto, ou segurança.

Fórmula 1 – Época de 2016

Fórmula 1

Dúvidas e surpresas

Depois de duas vitórias consecutivas nas duas primeiras corridas de 2016, antecedidas de outras três alcançadas no final da época passada, Nico Rosberg dá a impressão de poder lutar pelo título de pilotos este ano. Toto Wolff, o director desportivo da Mercedes Benz, afirmou à imprensa especializada, antes do campeonato começar, que os seus pilotos – Lewis Hamilton, actualmente com três títulos de campeão do mundo de pilotos, dois dos quais na Mercedes; e Nico Rosberg, que até agora tem sido o “segundo violino” de Hamilton – têm liberdade para competir entre eles, se tal não prejudicar os interesses da equipa alemã.

Fórmula 1 – Época de 2016

O milagre australiano

O milagre australiano

É um facto que no final do Grande Prémio da Austrália tenha tudo dado certo, à semelhança das séries de televisão em que “tudo acaba bem”. A começar com uma sessão de qualificação que se baseou num sistema de eliminação progressiva dos pilotos, a cada noventa segundos, o que deixou todos à beira de um ataque de nervos, desde pilotos, mecânicos, comissários de pista, espectadores, telespectadores e comentadores. Ficámos irritados, desiludidos e a pensar muito mal das pessoas que mandam na Fórmula 1.

Fórmula 1 – Época de 2016

O grande circo arranca no Domingo

Grande Circo arranca no Domingo

A Fórmula 1 regressa à “vida activa” este fim de semana, em Melbourne, na Austrália, após os testes oficiais, autorizados pela FIA, que como vem sendo hábito tiveram lugar no Circuito da Catalunha, em Espanha.

No final dos testes, que tiveram duas fases de quatro dias cada – ao invés das três fases do ano passado – ficou a saber-se mais ao menos o mesmo do que nos outros anos. Para além do que é absolutamente óbvio, todas as equipas dizem-se motivadas, esperançadas e confiantes, depois das prestações dos seus carros e pilotos. Mas no fundo essas afirmações reduzem-se a uma pequena frase: “Vamos ver como é na Austrália”.