Category Archives: Entrevista

Bruno S. Frey, Economista Suíço

Imigrantes devem pagar para trabalhar

Imigrantes devem pagar para trabalhar.

A defesa dos refugiados tornou-se um ponto forte do pontificado do Papa Francisco, com o pontífice a apelar por várias ocasiões a um tratamento responsável, solidário e compassivo dos migrantes. A questão deu o mote, na terça-feira, ao mais recente debate promovido pelo Instituto Ricci de Macau, com Bruno S. Frey e Margit Osterloh a apresentarem uma solução para a problemática das migrações com tanto de pragmático, como de polémico. O CLARIMesteve à conversa com o economista suíço.

Padre Alejandre Vergara, Superior da Sociedade de Nossa Senhora da Santíssima Trindade em Macau

PADRE ALEJANDRE VERGARA

«A igreja é o primeiro local que os filipinos procuram».

Fundada há sessenta anos, nos Estados Unidos, a Sociedade de Nossa Senhora da Santíssima Trindade foi encarregada pela diocese de Macau de responder às necessidades espirituais da comunidade filipina radicada no território. Em Macau desde 1999, a congregação faz do trabalho de equipa – e de um esforço de coordenação entre sacerdotes, religiosas e leigos – o método de eleição para levar a Palavra de Deus a quem dela mais necessita. A queda do número de vocações é um dos desafios com que a Sociedade se depara. Entrevistamos o Padre Alejandre Vergara.

Padre João Eleutério

PADRE JOÃO ELEUTÉRIO

É preciso maturidade eclesial para dar resposta às necessidades.

Uma entidade inteira, mas activa e irreverente. É esta a visão da Igreja que o padre João Eleutério alimenta. O antigo director da Faculdade de Teologia da Universidade de São José regressa a Portugal no final de Janeiro, depois de quase dez anos em Macau. Doutorado em Teologia e em História das Religiões, o sacerdote vai coordenar o programa de doutoramentos da Universidade Católica Portuguesa. Da passagem pela Ásia, o padre João Eleutério leva o registo de uma realidade desafiante e também um enorme capital de esperança. O ainda professor da USJ acredita que o acordo entre a Santa Sé e o Vaticano anunciado em Setembro abre as portas à reconciliação dos católicos chineses e defende que a criatividade do Espírito Santo é o melhor trunfo de que a Igreja dispõe para chegar ao coração dos fieis.

50 Anos das Sagradas Escrituras em Chinês

50 ANOS DAS SAGRADAS ESCRITURAS EM CHINÊS

PADRE CYRIL LAW JR.

Falta traduzir a Bíblia para Cantonense

É considerada a versão chinesa da Bíblia por excelência, mas a tradução das Sagradas Escrituras feita pelo Studium Biblicum Franciscanum está cada vez mais desfasada da realidade da China. O texto, publicado em Hong Kong há cinquenta anos, é um bom instrumento de estudo para quem quer aprofundar o conhecimento da Palavra de Deus, mas falha por completo como mecanismo de evangelização. O padre Cyril Law Jr., que defende que a Igreja deve fazer um esforço para traduzir a Bíblia para os diferentes dialectos do Chinês, explica porquê.

Francis Nge Nge e Ignatius Ngo Van Thu Giang, os novos Diáconos de Macau

FRANCIS NGE NGE E IGNATIUS NGO VAN THU GIANG

Valores cristãos geram novas vocações.

Receberam o diaconato no dia de Todos os Santos e estão, desde então, a um pequeno passo de alcançar a meta que se propuseram atingir: a de se tornarem sacerdotes e colocarem a vida ao serviço do povo de Deus. O entusiasmo com que o vietnamita Ignatius Ngo Van Thu Giang e o birmanês Francis Nge Nge falam dos desafios que os esperam contradizem a ideia de que a Igreja se depara com uma crise de vocações. No Vietname e no Myanmar, asseguram, o Catolicismo tem vindo a crescer nos últimos anos.

Padre James Chang Woo Ho, membro da Congregação Clerical dos Beatos Mártires Coreanos

PADRE JAMES CHANG WOO HO

«A Igreja coreana está pronta para estender a mão à Coreia do Norte».

Foi ordenado sacerdote a 29 de Setembro, em cerimónia presidida pelo bispo D. Stephen Lee, que fez culminar um percurso de mais de uma década de total entrega à disseminação da Palavra de Deus. O sul-coreano James Chang Woo Ho rezou pela primeira vez no Vietname, aos 17 anos, e o conforto que encontrou no seio da Igreja Católica nunca mais o abandonou. A fé colocou-o no encalço de Santo André Kim e trouxe-o até Macau, onde se propõe retribuir a ajuda dada pelo território à evangelização da Península Coreana.

Padre Eddie Hsueh Kwan Ho, Sacerdote do Movimento dos Focolares

Padre Eddie Hsueh Kwan Ho

«Alimentamos a visão da Igreja, consagrada pelo Vaticano II».

Diálogo, evangelização e uma vivência comunitária da espiritualidade inerente à mensagem dos Evangelhos são conceitos centrais para o Movimento dos Focolares. O organismo, fundado pela italiana Chiara Lubich durante a Segunda Guerra Mundial, celebra 75 anos com o compromisso renovado de continuar a servir a Igreja Católica. Presente em 182 países e territórios, o Movimento chegou a Macau no início da década de 70 e mantém na RAEM uma acção evangelizadora discreta, mas consolidada. Os membros da “Obra de Maria” apostam, sobretudo, na evangelização inter-pares, de leigo para leigo. O padre Eddie Hsueh Kwan Ho, sacerdote responsável pelo Movimento em Macau e em Hong Kong, diz mesmo que não há melhores evangelizadores.

Irmã Law Yuk Ching , Directora da Secção Chinesa do Colégio de Santa Rosa e Lima

Colégio de Santa Rosa de Lima

«Há muitos pais que negligenciam os próprios filhos».

É uma das mais antigas instituições do território, mas os 85 anos de história não entorpeceram de forma alguma a sua missão. Criada em 1933, a secção chinesa do Colégio de Santa Rosa de Lima continua a assumir como principal incumbência a valorização da mulher através da educação. A irmã Law Yuk Ching, directora do estabelecimento de ensino, traça o retrato de uma escola que está entre as mais procuradas pelas famílias do território. A razão? Os valores que transmitem e que vão muito além do desígnio do sucesso material, numa sociedade onde o abandono e a negligência estão cada vez mais presentes.

Irmã Juliana Devoy, Directora do Centro Bom Pastor

Irmã Juliana Devoy

«Nos próximos meses vamos-nos focar na adopção».

Tornou-se, em Macau, o rosto da luta contra o tráfico humano e uma das vozes mais activas na defesa de uma lei que pudesse proteger verdadeiramente as vítimas de violência doméstica. Aos 81 anos, a irmã Juliana Devoy diz que o território lhe deu a oportunidade de ajudar os outros de uma forma que seria impensável em qualquer outro lugar do mundo, mas sustenta que ainda há muito a fazer para transformar Macau numa cidade mais justa. A luta por um processo de adopção mais humano é a próxima batalha da directora do Centro do Bom Pastor.

Opus Dei: 90 Anos no Caminho da Santidade

Monsenhor José Rafael Espírito Santo

MONSENHOR JOSÉ RAFAEL ESPÍRITO SANTO, VIGÁRIO REGIONAL DA OBRA DE DEUS EM PORTUGAL

«É preciso voltar a Deus sem medo».

Sem a ajuda de Deus nem é possível, nem é sensato, viver a fé. O veredicto é do monsenhor José Rafael Espírito Santo, vigário regional do Opus Dei em Portugal. A única prelatura pessoal da Igreja Católica assinalou no início da semana 90 anos e O CLARIM quis saber junto do responsável pela Obra de Deus em terras lusas que desafios se colocam à organização. O maior continua a ser o de devolver às pessoas a confiança em Deus, num mundo absorvente e agitado, onde as tensões e as preocupações muitas vezes empurram a vivência activa da fé para segundo plano. Engenheiro civil que ouve Led Zeppelin e “Os Azeitonas”, e que até teve uma banda na juventude, José Rafael Espírito Santo desmistifica o Opus Dei, uma obra apostólica que – garante – quer apenas propiciar o encontro com Deus.

Jarosław Duraj, Vice-Director do Instituto Ricci de Macau

Jarosław Duraj

Inter-religiosidade da Rota da Seda não pode ser esquecida.

Vice-director do Instituto Ricci de Macau e professor de Ciência Política na Universidade de São José, Jarosław Duraj conhece como poucos o pensamento budista. Especialista em diálogo inter-religioso, o jesuíta passou algum tempo em mosteiros no Japão e em Taiwan, e descobriu uma tradição espiritual que tem por base uma percepção profunda da própria natureza do Homem. O conhecimento do outro, defende, é meio caminho andado para que o diálogo inter-cultural seja bem sucedido e a China só teria a ganhar em aplicar o princípio à iniciativa “Faixa e Rota”. A questão dá o mote a um simpósio organizado pelo Instituto Ricci nos dias 22 e 23 de Novembro.

Stephen Morgan, Director da Faculdade de Estudos Religiosos da Universidade de São José

Stephen Morgan

«Os leigos são os melhores missionários».

O galês Stephen Morgan é o novo responsável pela Faculdade de Estudos Religiosos da Universidade de São José. Diácono permanente e até agora ecónomo da diocese inglesa de Portsmouth, Morgan quer atrair uma maior variedade de alunos, entre os quais um maior número de estudantes leigos. Em entrevista a’O CLARIM, defende que a Igreja só tem a ganhar com leigos bem formados.

Ana Helena Amaral, Psicóloga

Ana Helena Amaral

«Apesar do Governo e das instituições promoverem a inclusão, ainda se fala pouco».

O Governo e as Organizações Não-Governamentais de Macau são favoráveis à inclusão de pessoas com deficiência na sociedade, mas há resistências por parte da população, afirma Ana Helena Amaral, para quem é preciso mudar as mentalidades. Em entrevista a’O CLARIM, a psicóloga fala também da perda de qualidade de vida, aliada à falta de espaços de lazer e às dificuldades criadas pelos casinos e pela avalanche de turistas.

Nicole Azevedo Barros, Directora da “Escola de Dança Nicole”

Nicole Barros

Cabo Verde quer organizar festival internacional de folclore.

A participação da “Escola de Dança Nicole” na última edição do Festival Juvenil Internacional de Dança deixou boas indicações a Nicole Barros, professora e directora do grupo cabo-verdiano que trabalha com crianças e adultos em várias modalidades. Em entrevista a’O CLARIM, revelou que Macau abriu a porta para voos mais altos. A organização de um festival em Cabo Verde é uma das hipóteses agora em cima da mesa, assim como alargar o âmbito de ensino às escolas e colégios da cidade da Praia.

Padre Alejandro Salcedo, Director da Escola de São Paulo

PADRE ALEJANDRO SALCEDO

«A Educação tem de passar por uma grande mudança, a começar pelo jardim-de-infância».

A poucas semanas de deixar o cargo de director da Escola São Paulo, o padre dominicano Alejandro Salcedo Garcia tece o balanço do seu trabalho de 21 anos à frente de uma instituição que tem vindo a adoptar novos métodos de ensino. Diminuir os trabalhos de casa e reduzir cada vez mais o número de testes são duas medidas de sucesso que promovem o autoconhecimento e a autodescoberta no chamado modelo das aulas invertidas.