Category Archives: Destaque

Francis Nge Nge e Ignatius Ngo Van Thu Giang, os novos Diáconos de Macau

FRANCIS NGE NGE E IGNATIUS NGO VAN THU GIANG

Valores cristãos geram novas vocações.

Receberam o diaconato no dia de Todos os Santos e estão, desde então, a um pequeno passo de alcançar a meta que se propuseram atingir: a de se tornarem sacerdotes e colocarem a vida ao serviço do povo de Deus. O entusiasmo com que o vietnamita Ignatius Ngo Van Thu Giang e o birmanês Francis Nge Nge falam dos desafios que os esperam contradizem a ideia de que a Igreja se depara com uma crise de vocações. No Vietname e no Myanmar, asseguram, o Catolicismo tem vindo a crescer nos últimos anos.

Padre James Chang Woo Ho, membro da Congregação Clerical dos Beatos Mártires Coreanos

PADRE JAMES CHANG WOO HO

«A Igreja coreana está pronta para estender a mão à Coreia do Norte».

Foi ordenado sacerdote a 29 de Setembro, em cerimónia presidida pelo bispo D. Stephen Lee, que fez culminar um percurso de mais de uma década de total entrega à disseminação da Palavra de Deus. O sul-coreano James Chang Woo Ho rezou pela primeira vez no Vietname, aos 17 anos, e o conforto que encontrou no seio da Igreja Católica nunca mais o abandonou. A fé colocou-o no encalço de Santo André Kim e trouxe-o até Macau, onde se propõe retribuir a ajuda dada pelo território à evangelização da Península Coreana.

Igreja Católica é prova de vida da Humanidade

Estão os valores reféns dos extremistas?

Estão os valores reféns dos extremistas?

O assunto pode parecer fracturante no seio dos católicos, não porque os possa dividir, mas porque toca em matérias sensíveis, fazendo-os questionar o seu próprio posicionamento face à Igreja Católica e aos temas que estão na ordem do dia de todas as sociedades, independentemente do seu quadrante político e geográfico.

Não é de agora que a Igreja Católica é encarada como sendo tradicionalista, ortodoxa e, por vezes, reaccionária. Os últimos escritos sobre o Papa Pio XII são disso exemplo, pois permanecem vivas duas teorias opostas: a primeira acusa Eugenio Pacelli de ter colaborado com o Nazismo, a segunda defende que a acção do então Sumo Pontífice contribuiu para salvar do holocausto centenas de milhares de vidas.

Padre Eddie Hsueh Kwan Ho, Sacerdote do Movimento dos Focolares

Padre Eddie Hsueh Kwan Ho

«Alimentamos a visão da Igreja, consagrada pelo Vaticano II».

Diálogo, evangelização e uma vivência comunitária da espiritualidade inerente à mensagem dos Evangelhos são conceitos centrais para o Movimento dos Focolares. O organismo, fundado pela italiana Chiara Lubich durante a Segunda Guerra Mundial, celebra 75 anos com o compromisso renovado de continuar a servir a Igreja Católica. Presente em 182 países e territórios, o Movimento chegou a Macau no início da década de 70 e mantém na RAEM uma acção evangelizadora discreta, mas consolidada. Os membros da “Obra de Maria” apostam, sobretudo, na evangelização inter-pares, de leigo para leigo. O padre Eddie Hsueh Kwan Ho, sacerdote responsável pelo Movimento em Macau e em Hong Kong, diz mesmo que não há melhores evangelizadores.

Paróquia de Nossa Senhora de Fátima celebrou 50º Aniversário

PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

Igreja dos pobres em festa.

A paróquia de Nossa Senhora de Fátima assinalou no passado dia 13 de Outubro os cinquenta anos da sua criação, com missa e procissão, tendo reunido centenas de fiéis de várias gerações. Coincidentemente, no mesmo dia, celebraram-se os 101 anos da última aparição de Maria aos pastorinhos, durante a qual se apresentou como sendo a Senhora do Rosário.

Pelas 19 horas, a igreja apresentava-se repleta de fiéis, maioritariamente chineses, destacando-se entre os participantes as Irmãs da Caridade, congregação religiosa fundada por Santa Teresa de Calcutá.

Irmã Juliana Devoy, Directora do Centro Bom Pastor

Irmã Juliana Devoy

«Nos próximos meses vamos-nos focar na adopção».

Tornou-se, em Macau, o rosto da luta contra o tráfico humano e uma das vozes mais activas na defesa de uma lei que pudesse proteger verdadeiramente as vítimas de violência doméstica. Aos 81 anos, a irmã Juliana Devoy diz que o território lhe deu a oportunidade de ajudar os outros de uma forma que seria impensável em qualquer outro lugar do mundo, mas sustenta que ainda há muito a fazer para transformar Macau numa cidade mais justa. A luta por um processo de adopção mais humano é a próxima batalha da directora do Centro do Bom Pastor.

Opus Dei: 90 Anos no Caminho da Santidade

Monsenhor José Rafael Espírito Santo

MONSENHOR JOSÉ RAFAEL ESPÍRITO SANTO, VIGÁRIO REGIONAL DA OBRA DE DEUS EM PORTUGAL

«É preciso voltar a Deus sem medo».

Sem a ajuda de Deus nem é possível, nem é sensato, viver a fé. O veredicto é do monsenhor José Rafael Espírito Santo, vigário regional do Opus Dei em Portugal. A única prelatura pessoal da Igreja Católica assinalou no início da semana 90 anos e O CLARIM quis saber junto do responsável pela Obra de Deus em terras lusas que desafios se colocam à organização. O maior continua a ser o de devolver às pessoas a confiança em Deus, num mundo absorvente e agitado, onde as tensões e as preocupações muitas vezes empurram a vivência activa da fé para segundo plano. Engenheiro civil que ouve Led Zeppelin e “Os Azeitonas”, e que até teve uma banda na juventude, José Rafael Espírito Santo desmistifica o Opus Dei, uma obra apostólica que – garante – quer apenas propiciar o encontro com Deus.

Papa Francisco convida os católicos da China ao diálogo e à reconciliação

Ide a vós o nosso reino

Ide a vós o nosso reino.

O Papa Francisco exortou, na passada quarta-feira, os católicos da República Popular da China a superar as divisões do passado e a promover uma nova fase na vivência da fé no Continente, depois de no último fim-de-semana Pequim e a Santa Sé terem anunciado a assinatura de um acordo histórico relativo à nomeação de bispos. O objectivo do compromisso é o de colocar fim ao prolongado distanciamento entre a China e o Vaticano.

O Santo Padre escreveu uma carta aos fiéis chineses com o objectivo de encorajá-los a “sanar as feridas do passado e a restabelecer e manter a plena comunhão”.

Análise

Ingenuidade ou estratégia?

Ingenuidade ou estratégia?

Convidado a escrever neste Semanário, onde regularmente colaboro, sobre o tema candente da actualidade católica na China que é o acordo alcançado entre o Governo Central e a Santa Sé, faço-o gostosamente como sempre, permitindo-me no texto uma ou outra opinião ou comentário pessoal que são, naturalmente, da minha exclusiva responsabilidade.

Embora não isento de críticas de vários sectores, é já considerado histórico – e pelo seu pioneirismo é-o certamente – o acordo provisório que o Vaticano assinou com as autoridades de Pequim, sobre a nomeação de bispos chineses.

Jarosław Duraj, Vice-Director do Instituto Ricci de Macau

Jarosław Duraj

Inter-religiosidade da Rota da Seda não pode ser esquecida.

Vice-director do Instituto Ricci de Macau e professor de Ciência Política na Universidade de São José, Jarosław Duraj conhece como poucos o pensamento budista. Especialista em diálogo inter-religioso, o jesuíta passou algum tempo em mosteiros no Japão e em Taiwan, e descobriu uma tradição espiritual que tem por base uma percepção profunda da própria natureza do Homem. O conhecimento do outro, defende, é meio caminho andado para que o diálogo inter-cultural seja bem sucedido e a China só teria a ganhar em aplicar o princípio à iniciativa “Faixa e Rota”. A questão dá o mote a um simpósio organizado pelo Instituto Ricci nos dias 22 e 23 de Novembro.

Conceito tem o alto patrocínio da Conferência dos Bispos Católicos de Inglaterra e País de Gales

artofdyingwell.org

A Arte de Bem Morrer.

The Art of Dying Well (a Arte de Bem Morrer, ou a Arte de Morrer Bem, como o leitor preferir) é um conceito, princípio ou movimento social promovido pela Conferência dos Bispos Católicos de Inglaterra e País de Gales.

Porque consideramos ser mais eficaz darmos um exemplo – ainda que fictício – do que procurarmos explicar ou dissecar este conceito, vamos até ao número 22 da Well Street em Londres.

Stephen Morgan, Director da Faculdade de Estudos Religiosos da Universidade de São José

Stephen Morgan

«Os leigos são os melhores missionários».

O galês Stephen Morgan é o novo responsável pela Faculdade de Estudos Religiosos da Universidade de São José. Diácono permanente e até agora ecónomo da diocese inglesa de Portsmouth, Morgan quer atrair uma maior variedade de alunos, entre os quais um maior número de estudantes leigos. Em entrevista a’O CLARIM, defende que a Igreja só tem a ganhar com leigos bem formados.

O CLARIM no caminho Português de Santiago

O CLARIM NO CAMINHO PORTUGUÊS DE SANTIAGO

Por um abraço ao Apóstolo.

O convite surgiu em jeito de desafio. «Vamos fazer o Caminho de Santiago?», perguntou-nos um amigo ao jantar. Perante a nossa hesitação, outra voz se fez ouvir: «Vamos! Ficamos no Parador dos Reis, mesmo ao lado da catedral…».

Já noutra ocasião este tema havia vindo à baila, mas agora parecia ser a sério. «Contem connosco!», respondemos com a certeza que dali a um ano – no Verão, em Agosto – regressaríamos a Portugal para gozo de mais um período de férias.

Ana Helena Amaral, Psicóloga

Ana Helena Amaral

«Apesar do Governo e das instituições promoverem a inclusão, ainda se fala pouco».

O Governo e as Organizações Não-Governamentais de Macau são favoráveis à inclusão de pessoas com deficiência na sociedade, mas há resistências por parte da população, afirma Ana Helena Amaral, para quem é preciso mudar as mentalidades. Em entrevista a’O CLARIM, a psicóloga fala também da perda de qualidade de vida, aliada à falta de espaços de lazer e às dificuldades criadas pelos casinos e pela avalanche de turistas.

Padre Franz Gassner comenta a posição da Igreja Católica em relação à abolição da pena de morte

Papa Francisco alumiou o caminho

Papa Francisco alumiou o caminho.

O padre Franz Gassner, docente da Faculdade de Estudos Religiosos da Universidade de São José, vê com bons olhos a recente tomada de posição da Igreja Católica, ao condenar toda e qualquer razão para a existência da pena de morte.

«Pessoalmente, estou contra a pena de morte», disse a’O CLARIM o padre Gassner, elencando várias razões que sustentam a sua convicção. «Os Governos cometem erros. Há provas claras de pessoas inocentes que foram mortas, algo que se estende dos Estados Unidos à China. Como pode uma forma de punição irreversível ser justificada quando há erros e, até mesmo, abusos?», justificou o sacerdote.