Papa quer fim das armas nucleares

Nações Unidas

Papa quer fim das armas nucleares

O Papa Francisco apelou à “eliminação” das armas nucleares numa mensagem divulgada, na passada terça-feira, pelo Vaticano, a respeito da conferência sobre o tema promovida pela ONU.

“O objectivo final da eliminação das armas nucleares torna-se tanto um desafio como um imperativo moral e humanitário”, escreve.

A finalidade da Conferência, que termina hoje na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, é negociar um instrumento juridicamente vinculante sobre a “proibição das armas nucleares”, que conduza à sua total eliminação.

O Papa evoca as “preocupações” ligadas a um eventual uso deste armamento por terroristas, no actual contexto de multiplicação de ameaças à segurança mundial.

“Estas preocupações são ainda maiores quando levamos em consideração as catastróficas consequências humanas e ambientais que adviriam de qualquer uso de armas nucleares, com efeitos devastadores, indiscriminados e incontroláveis”, adverte.

A Santa Sé está representada na conferência da ONU pelo subsecretário das Relações com os Estados, monsenhor Antoine Camilleri, que leu a mensagem do Papa Francisco.

“A paz e a estabilidade internacionais não podem ser fundadas sobre um falso sentido de segurança, sobre a ameaça de uma destruição recíproca ou de total aniquilamento, sobre a simples manutenção de um equilíbrio de poder”, defende o Pontífice.

Francisco entende que é necessário ir além da proibição das armas nucleares, adotando estratégias de longo prazo para promover a paz e a estabilidade, que ultrapassem o medo e o isolacionismo.

“A humanidade tem a capacidade de trabalhar junta para construir a nossa casa comum; temos a liberdade, a inteligência e a capacidade de guiar e dirigir a tecnologia, assim como a de limitar o nosso poder e de colocá-lo a serviço de outro tipo de progresso: mais humano, mais social e mais integral”, assinala.

O Papa deixa votos de que a conferência da ONU dê um contributo eficaz no avanço da ética da paz e da segurança cooperativa multicultural, “de que a humanidade tanto necessita”.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *