ORAÇÃO MENTAL E MEDITAÇÃO – I

Oração Mental e Meditação – 1

«Parai! E reconhece que Eu sou Deus» (Sl., 46:10)

«De madrugada, ainda escuro, levantou-Se e saiu; foi para um lugar solitário e ali Se pôs em oração. Simão e os que estavam com Ele seguiram-No. E, tendo-O encontrado, disseram-lhe: “Todos Te procuram”» (Marcos 1:35)

Vivemos num mundo barulhento e apressado. Temos dificuldade em estarmos quietos. Queremos estar sempre ocupados com qualquer coisa. O Papa Francisco escreveu na sua encíclica “Laudato Si” (Louvados Sejas): «Hoje muita gente sente um profundo desequilíbrio que os compele a uma actividade frenética que os faz sentir-se ocupados, numa precipitação que por seu lado os faz caírem desamparados em tudo o que os rodeia».

Mas nós queremos seguir Jesus. E o que devemos fazer? Ir ter com ele, de madrugada, muito antes de ser dia… a um lugar ermo.

E porquê rezar? Uma vez tivemos um problema lá em casa com uma lâmpada do tecto. Apenas umas poucas horas depois de termos substituído a lâmpada ela voltou a não acender. Chamámos um electricista para ver o que se passava. «É um problema com o contacto da lâmpada», disse-nos. «A lâmpada não faz contacto com o terminal eléctrico».

Porquê rezar? A oração é o nosso “ponto de contacto” com Deus. Podemos ser a melhor lâmpada do mundo, mas se não tivermos contacto com a fonte de energia nunca poderemos dar luz, e apenas iremos espalhar trevas.

O Papa Bento XVI, numa reunião com os padres de Roma, disse: «Gastar tempo rezando na presença de Deus é uma prioridade pastoral real; não é apenas uma adição ao trabalho pastoral: estar perante Deus é uma prioridade pastoral e, numa análise profunda, a mais importante».

A seguir, algo para meditarmos. Foi escrito por Grace L. Naessens, em 1960:

 

Uma manhã acordei cedo

E embrenhei-me directamente no dia.

Tinha tanta coisa para fazer

Que nem tinha tempo para rezar

 

Os problemas caíam sobre mim

E cada tarefa era mais pesada que a anterior.

Porque é que Deus não me ajuda? pensei eu

Ele respondeu: “Tu não Me pediste”

 

E quis ter um dia alegre e cheio de beleza

Mas o dia apareceu-me cinzento e triste.

E perguntei-me porque Deus não mo mostrava

E Ele disse-me: “Mas tu não procuraste”

 

Tentei ir à presença de Deus

Usei todas as chaves que tinha na fechadura

Gentil e amavelmente Deus sussurrou-me:

“Minha filha, tu não bateste à porta”

 

Acordei cedo esta manhã

E fiz uma pausa antes de começar o dia

Tinha tanto para fazer

Que ainda tive tempo para rezar

Pe. José Mario Mandía

(Tradução: António R. Martins)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *