O Papa e o Grande Imã

Francisco visitou os Emirates Árabes Unidos

O Papa e o Grande Imã.

Na visita que fez aos Emiratos Árabes Unidos, entre 3 e 5 de Fevereiro, Francisco assinou com o Grande Imã de Al-Azhar um documento extenso sobre o empenho comum na construção da paz. Como o texto reconhece, o pano de fundo desta declaração é também o jihadismo, as “guerras santas” lançadas por alguns grupos muçulmanos, e a falta de liberdade religiosa em muitos desses países. A partir desta situação de violências várias, já foram dados passos importantes no caminho da paz, alguns deles na sequência dos próprios surtos de violência anti-cristã, que foram rejeitados por grande parte da população árabe e por alguns dos seus dirigentes, como inumanos e contrários às autênticas convicções religiosas.

Depois do discurso de Bento XVI em Ratisbona, vários católicos foram assassinados mas foram igualmente importantes as tomadas de posição de várias correntes muçulmanas contra esses assassinatos.

No Paquistão, o fanatismo muçulmano levou muitos cristãos à morte e à prisão, mas essa violência foi ocasião de vários muçulmanos protestarem contra os abusos. Por se solidarizarem com os cristãos, vários muçulmanos também morreram. Recentemente, multidões enfurecidas paralisaram o Paquistão pedindo a condenação à morte de uma rapariga católica, mas vários muçulmanos, entre eles os juízes do Supremo Tribunal e os responsáveis de várias comunidades muçulmanas, tomaram posição contra essa injustiça.

Não se podem esquecer a falta de liberdade nos países muçulmanos e os atentados contra a dignidade humana, apesar de se terem dado passos muito positivos nas últimas décadas.

Também é verdade que alguns países ocidentais fomentam o terrorismo nos países árabes e promovem guerras com objectivos económicos e de controlo político. Muitas vezes, do ponto de vista das populações muçulmanas, essas intervenções são associadas à cultura ocidental e ao Cristianismo, alimentando ódios e desejos de vingança.

Em contraste, o documento assinado por Francisco e pelo Grande Imã de Al-Azhar proclama a comum vocação de todos os homens e mulheres a considerarem-se irmãos enquanto filhos e filhas de Deus. Condena todas as formas de violência, especialmente aquela que se reveste de pretextos religiosos e estabelece que todos se devem empenhar em difundir no mundo os valores autênticos e a paz. Por todos estes motivos, o acolhimento dispensado ao Papa Francisco nos Emiratos Árabes Unidos e a assinatura deste documento são de enorme consequência para o futuro da humanidade.

Passaram oitocentos anos da tentativa de São Francisco de Assis de abrir portas no Norte de África, encontrando-se com o sultão Malik al-Kamil. O Papa explicou que esta viagem retomava o mesmo propósito. «Pensei tantas vezes em São Francisco durante esta viagem. Isso ajudava-me a levar o Evangelho e o amor de Jesus Cristo no coração, enquanto decorriam os vários momentos da visita. No meu coração estava o Evangelho de Cristo, a oração do Pai por todos os seus filhos, especialmente os mais pobres, as vítimas das injustiças, das guerras, da miséria».

As sementes de paz lançadas há oitocentos anos por São Francisco de Assis começam, nos nossos dias, a dar os primeiros frutos.

José Maria C.S. André 

 Professor no Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *