Jornal O Clarim

Semanário Católico de Macau

DOGMA DE FÉ Jesus um génio?
Destaque Todas as Categorias

Dogma de Fé

Jesus um génio?

Jesus, neste sentido, não foi, nem é, um “génio”. Trata-se de fé e não de gnose ou de génio. A luz de Jesus Cristo é uma revelação e não uma auto-iluminação de conhecimento esotérico.

O americano Harold Bloom é o autor do bestseller “O Código Ocidental” e reconhecido como um dos maiores críticos literários do nosso tempo. Escreveu, em 2002, o livro “Genins – A mosaic of one hundred exemplary creative minds”, traduzido este ano para Português pela “Círculo de Leitores”, com o título “Génio, os 100 autores mais criativos da história da literatura”.

De entre os génios da literatura portuguesa escolheu Camões, Eça de Queirós e Fernando Pessoa. O pronunciamento sobre estes cem génios varia entre as sete e dez páginas. O livro é de 902 páginas.

O maior de todos os génios é William Shakespeare. Há, portanto, um antes e um depois de Shakespeare. Mas também se agigantam Dante, Cervantes, Goethe, Emerson, Machado de Assis…

Da bíblia hebraica apresenta o génio do “Javista”, autor-redactor anónimo que terá escrito, durante o exílio babilónico, as narrativas e memórias de história e saga dos patriarcas, Moisés, Josué, Samuel, David… O Deus monoteísta deste autor pouco tem a ver com mandamentos e receitas identitárias do judaísmo rabínico. É um Deus carregado de ironia e mistério de vida e acção.

Do Novo Testamento apresenta São Paulo como génio pelo que escreveu e, sobretudo, pelo que fez. Para o autor, Paulo é o verdadeiro fundador do cristianismo universal. É o judeu fariseu esmagado pela Lei de Moisés (como também Lutero), da qual se liberta por um acto de génio na crença da ressurreição: «Ó morte, onde está a tua vitória!».

O autor fala de Jesus com esta afirmação: «A lenda de Jesus é a mais poderosa que o Ocidente conheceu, transcendendo os mitos de Homero, a bíblia hebraica e o alcorão. Apesar da longa história do cristianismo, com a sua enorme variedade de componentes, a lenda baseia-se numa voz: Acendi um fogo na Terra e vigiá-lo-ei até que ele nos ilumine».

O autor refere o texto de Lucas 12, 49 (Par. Mateus 10, 34-36): «Eu vim lançar fogo sobre a terra; e como gostaria que ele já se tivesse ateado!» Os conteúdos são bem diferentes.

Harold Bloom afirma-se continuamente como judeu gnóstico e defensor da cabalística judaica. Os gnósticos, à maneira da caverna de Platão, defendem a ideia do homem “carnal-corpóreo”, ser prisioneiro da verdade que nos vem por obra e graça da plenitude da gnose (conhecimento) que reside numa outra instancia extraterrestre. O “carnal” esmaga-se a si mesmo para se abrir ao “espiritual” gnóstico. E é neste processo, mais ou menos consciente, que reside o “génio” do escritor, romancista, poeta, dramaturgo…

Jesus, neste sentido, não foi, nem é, um “génio”. Percebê-lo, compreendê-lo é viver de acordo com Ele. Trata-se de fé e não de gnose ou de génio. A luz de Jesus Cristo é uma revelação e não uma auto iluminação de conhecimento esotérico.

 Frei Joaquim Carreira das Neves

In Mensageiro de Santo António

LEAVE A RESPONSE

Your email address will not be published. Required fields are marked *