Jornal O Clarim

Semanário Católico de Macau

Contra as manobras de Satanás
Eclesial Todas as Categorias

“Avé Maria”, pela pena do Papa Francisco

Contra as manobras de Satanás

No mês de Outubro, tradicionalmente dedicado a Nossa Senhora, o Papa publicou um livro sobre a Mãe de Deus, sob a forma de uma entrevista concedida a Marco Pozza (editado em Italiano pela Rizzoli e pela Libreria Editrice Vaticana). A gravação da entrevista foi transmitida no dia 16 de Outubro pela cadeia de televisão Tv2000. Nesta conversa, o Papa traça o perfil biográfico de Nossa Senhora e ensina a rezar-lhe, especialmente a “Avé Maria”.

Um traço fundamental da santidade de Maria é ser a santidade do dia-a-dia, das pequenas coisas correntes, como é a vida da generalidade dos homens e mulheres. O cume da santidade não consiste na extravagância, mas na presença actuante de Deus através dessa normalidade:

«– Desde que nasceu até à Anunciação, quando se encontrou com o Anjo de Deus, imagino-a como uma rapariga normal, uma rapariga de hoje, não posso dizer uma rapariga urbana, porque vivia numa aldeia, mas normal, normal, com uma educação normal, aberta a casar-se, a ter uma família. Uma coisa que imagino é que amava as Escrituras: conhecia as Escrituras, tinha feito a catequese, mas no ambiente familiar, do coração. Depois de conceber Jesus continuou a ser uma mulher normal: Maria é a normalidade, ela é uma mulher que qualquer mulher deste mundo pode imitar. Não fazia nada de estranho na vida, era uma mãe normal: mesmo no seu casamento virginal, vivendo castamente na virgindade, Maria era normal. Trabalhava, ia às compras, ajudava o Filho, ajudava o marido: era normal».

A normalidade cristã não consiste em ceder ao espírito mundano. Pelo contrário, é a generosidade de ir ao encontro dos outros, é viver a sério a amizade, a capacidade de estabelecer laços pessoais fortes e profundos, que acabam por aproximar os outros de Deus. Isolar-se, não se sentir plenamente cidadão, desinteressar-se, é a estratégia de Satanás:

«– A normalidade é viver no meio do povo, como o povo. É anormal viver sem estar enraizado num povo, sem ligação com um povo histórico. Nesse desenraizamento, nasce um pecado que agrada tanto a Satanás, nosso inimigo: o pecado da “elite”. A “elite” não sabe o que é viver no meio do povo e quando falo da “elite” não me refiro a uma classe social: falo de uma atitude da alma (…). Contudo, como diz o Concílio na “Lumen gentium”, a Igreja é justamente o santo povo fiel de Deus. A Igreja é povo, o povo de Deus. E o diabo gosta das “elites”».

A normalidade de Nossa Senhora resplandece de fecundidade por acção de Deus. Apoiado na sua fidelidade, Deus transformou o mundo: Ele «começa a re-criação por Maria».

A resposta à vocação é sempre um encontro pessoal com Deus, sem o anonimato de quem se dilui num grupo. A vocação, que se descobre em oração pessoal, num diálogo íntimo com Deus, é entregar-se pessoalmente, mesmo quando esse caminho nos leva a entroncar a nossa vida com a de outros:

«– Podemos pensar nas mulheres solteiras que tratam da casa, que educam sozinhas os filhos. Maria está ainda mais sozinha. Começa sozinha esta história, que continua com José e a família; mas no começo da recriação existe apenas o diálogo entre Deus e uma mulher sozinha. Sozinha no momento da anunciação e sozinha no momento da morte do Filho».

O Papa pediu a todos que rezassem o Terço com especial devoção no mês de Outubro e que pedissem, por intercessão de Maria e do Arcanjo São Miguel, pela unidade da Igreja, ameaçada nestes tempos pelas manobras de Satanás.

José Maria C.S. André 

Professor no Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa

LEAVE A RESPONSE

Your email address will not be published. Required fields are marked *