MESTRE WAN CHUN

Mestre Wan Chun expõe miniaturas no Tap Seac

Duas caravelas entre embarcações chinesas.

Está patente ao público, nas arcadas do Arquivo Histórico de Macau, no Tap Seac, a exposição intitulada “A Mestria da Construção Naval – Exibição de miniaturas artesanais de Wan Chun”. Entre onze embarcações sobressaem duas caravelas dos Descobrimentos Portugueses.

«Nunca tinha construído nenhum barco português, nem sabia como fazê-lo no passado. Se construí estas duas caravelas foi porque a directora do Arquivo [Lau Fong] me ofereceu um livro que adquiriu num museu marítimo em Portugal. A partir daqui tive todas as referências para construir os meus modelos.

A parte mais difícil for fazer o fundo do casco [das caravelas]», explicou o mestre Wan Wu, após limpar a banca onde construía um camaroeiro chinês para falar a’O CLARIM.

A paixão pela construção naval vem desde criança: «Os meus pais eram pescadores. Nos anos cinquenta morávamos na zona do Patane, perto da Doca de Lam Mau, onde havia estaleiros navais. Desde pequeno que me senti fascinado pela construção naval, por influência dos meus pais».

Em 1969, tinha então 19 anos, começou a construir barcos em tamanho real num estaleiro do Patane, dedicando-se à actividade ao longo de mais de vinte anos. A paixão por miniaturas teve início em Abril de 2015, após ser orador de um seminário sobre construção naval no Arquivo. «Fui questionado se havia mais alguém que soubesse construir barcos em Macau, por isso pensei em dedicar-me às miniaturas».

O mestre Wan Chun cedo percebeu que não podia construí-las em casa, por isso usou um banco de pedra no Tap Seac como parte da sua oficina, o que lhe valeu um convite da directora do Arquivo para continuar a actividade numa dependência daquelas instalações, que aceitou de bom grado.

Além das caravelas, até ao próximo dia 9 de Abril estão patentes réplicas de nove embarcações chinesas – junco para apanhar caranguejo, cargueiro, sampana, junco de pesca (tipo “Yang Jiang”), imitação do junco antigo (Dinastia Song), camaroeiro, arrastão, junco de pesca à rede e arrastão com rede de abater.

«Com uma tradição de um século e meio, a construção naval é uma indústria tradicional consagrada em Macau. Outrora, havia estaleiros por toda a cidade. Até ao fim do século XX, devido ao elevado nível técnico deste sector, Macau tornou-se um importante centro de construção de barcos de pesca de madeira no Sul da China. Na sequência do declínio recente desta indústria, o experiente artesão Wan Chun decidiu criar barcos em miniatura com base nas suas técnicas de construção naval, utilizando a sua memória, experiência e técnica para produzir uma série de réplicas de juncos em miniatura, dando a conhecer ao público esta arte em extinção», refere o Instituto Cultural, na sua página electrónica, a propósito da exposição.

PEDRO DANIEL OLIVEIRA 

com Benedict Keith Ip

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *