Category Archives: Lusofonia

Um café na rua Mercaderes

Memória de Eça em Cuba

Memória de Eça em Cuba.

O “La Columnata Egipciana”, na rua Mercaderes, em pleno centro histórico da cidade de Havana, café que Eça de Queiroz costumava frequentar, já não se chama “La Columnata Egipciana”. Ou melhor, terá certamente novo nome, só que não foi ainda revelado ao transeunte que depara com os portais encerrados, embora possa olhar para o interior através da longa vidraça. E isto, se o reflexo da luz do dia o permitir. Associa o local à memória do escritor uma placa de mármore afixada na parede da entrada onde, sob a efígie do homem do monóculo, vem escrito, em Castelhano e Português, o seguinte: “Este café foi frequentado pelo grande escritor português Eça de Queiroz (1845-1900), Cônsul de Portugal em Havana. Homenagem do Presidente da República Portuguesa Dr. Jorge Sampaio, 15 de Novembro de 1999”.

Semana D’África até 2 de Junho

SEMANA D’ÁFRICA ATÉ 2 DE JUNHO

Comunidades dos PALOP em festa

Um grupo de quatro associações de países africanos de língua oficial portuguesa com sede em Macau comemora hoje o Dia d’África, na égide do debate “Que África Queremos?”, que terá lugar a partir das 18 horas e 30 na Universidade de São José. O evento faz parte da Semana d’África, cujo programa se prolonga até ao próximo dia 2 de Junho. O debate, moderado pelo jornalista Jorge Silva, tem como intervenientes Carlos Frota, primeiro cônsul-geral de Portugal em Macau e ex-embaixador na Coreia do Sul e na Indonésia, que irá abordar as “Relações diplomáticas e económicas China-África”; Graça Sanches, especialista em género e fiscalização legislativa, que irá falar da “Igualdade de Géneros nos PALOP – O caso de Cabo Verde”; e Ângelo Rafael, doutorando da Universidade de Macau, que falará das “Vivências de estudantes Africanos na Ásia – Macau”.

Zimbabué, a Herança pobre que Mugabe deixa

As terras abandonadas do Mashonaland

As terras abandonadas do Mashonaland.

«Está a ver todo esse abandono, baldios sem rei nem roque?». A pergunta, com cheiro a desabafo, desperta-me daquela espécie de letargia prazenteira própria das horas mortas de trajectos de longo curso, e afasta-me o olhar dos fusiformes fiapos negros das queimadas anunciadas ao longe, quais sinais de fumo, com um primeiro plano de gado vacum avulso em franco pasto evocativo do que outrora foram as férteis terras do Mashonaland rodesiano. «Tudo isso eram plantações de trigo, e de outros cereais», prossegue Colin, meu colega de “cozinha”, que, apesar do nome, é negro, ou melhor dizendo, mulato. E é zambiano, embora resida em Harare, o que talvez explique o à vontade do seu discurso.

Angola

Luanda quer melhorar serviços de migração

Luanda quer melhorar serviços de migração

O ministro do Interior de Angola pediu, na passada quarta-feira, ao novo director-geral do Serviço de Migração e Estrangeiros (SME) para melhorar a má imagem externa daquele órgão, que autoriza e fiscaliza as entradas e saídas de estrangeiros do País.

O ministro Ângelo da Veiga Tavares falava em Luanda, à margem da cerimónia de troca de pastas entre a nova e a anterior direcção do SME, que desde terça-feira passou a ser liderada pelo comissário Gil Famoso da Silva, nomeado para as funções de director-geral pelo Presidente angolano, João Lourenço.

Rogério Varela Afonso, Director d’O Século de Joanesburgo

Rogério Varela Afonso

Urge uma agência noticiosa para as comunidades portuguesas.

Rogério Varela Afonso, director d’O Século de Joanesburgo, o mais importante órgão da imprensa escrita da comunidade portuguesa radicada na África do Sul, mostrou satisfação ao constatar que em Macau se mantêm no activo vários jornais em língua portuguesa, pois considera salutar a competição. «Se houver viabilidade económica e se forem de certo modo auto-suficientes, acho óptimo», diz a’O CLARIM.