Jornal O Clarim

Semanário Católico de Macau

Dias do Pai
Eclesial Todas as Categorias

REFLEXÃO

Dias do Pai, ontem, hoje e amanhã, até à eternidade!

Os pais terão de ser os guardiões dos seus filhos no crescimento físico, psíquico e espiritual. Devem acompanhar o seu caminho no papel que lhes compete como educadores, logo urge que o Pai cumpra todos os requisitos inerentes, os quais não podem ser substituídos por ninguém.

Os filhos, tal como a família, são o negócio ou a empresa mais importante da nossa vida, são também prioridades face ao lazer, é muito importante aprender a descansar ouvindo os filhos, partilhando com eles dos seus sonhos, dos seus medos ou das suas fantasias. Muitas vezes as rebeldias são chamadas de atenção, algo está a falhar no devido acompanhamento paterno.

O pai deve ainda estar próximo da esposa, para compartilhar tudo com ela, alegrias e dores, dificuldades e esperanças. E também perto dos filhos no seu crescimento, quando brincam, quando estudam, quando estão doentes ou tristes, mais faladores ou mais calados. Porém, estar presente não significa ser controlador, porque os pais demasiado controladores anulam os filhos e não os deixam crescer, contribuindo muitos vezes para o seu afastamento.

Os filhos têm necessidade de encontrar um pai que os espera quando voltam dos seus fracassos, um pai paciente, compreensivo e afectivo; os pais também têm necessidade de encontrar nos filhos um amparo, um estímulo e um objectivo de sentido na vida.

Tão simples, afinal, é o espírito de família e não será por falta de outras datas que o Dia do Pai é comemorado no Dia de São José.

SUSANA MEXIA 

Professora

LEAVE A RESPONSE

Your email address will not be published. Required fields are marked *