Ponte para o Atlântico

Madeira vai receber empresários da China e Macau

Ponte para o Atlântico.

As ilhas atlânticas despertaram a atenção da Associação Internacional de Indústria e Comércio China-Europa, que assinou um protocolo com o Governo Regional da Madeira para a exploração de oportunidades de negócio ao nível da cooperação comercial e do desenvolvimento de projectos de novas tecnologias e transporte.

O arquipélago da Madeira deverá receber, até ao final do ano, uma comitiva de empresários da China e de Macau, foi recentemente anunciado na cidade do Funchal, durante a cerimónia de assinatura de um protocolo de cooperação entre a Associação Internacional de Indústria e Comércio China-Europa (CEIBA, na sigla inglesa), com sede em Macau, e o Governo Regional da Madeira.

Segundo Joana Alves Cardoso, directora-executiva da CEIBA, as características políticas, culturais e geográficas «foram fundamentais para permitir» que a associação que lidera definisse a «Região Autónoma da Madeira como ponte primordial para o estabelecimento de uma cooperação institucional e empresarial, que abarcará a prossecução conjunta de objectivos de alargamento do mercado de investidores, oportunidades de negócio, cooperação comercial e desenvolvimento de projectos de novas tecnologias e transporte, em linha com o que são os interesses estratégicos para a Madeira, assente num desenvolvimento qualificado e sustentável».

Nesse sentido, adiantou: «Esperamos poder levar a cabo uma primeira iniciativa de visita oficial de empresários e membros do Governo chineses, possivelmente ainda este ano, e dar a conhecer esta linda e maravilhosa ilha da Madeira, que apadrinhámos, e estamos certo que nos agraciará com a concretização de projectos futuros».

Por seu lado, ao lembrar que a China «é a segunda maior potência económica e comercial a nível mundial», o vice-presidente do Governo Regional da Madeira, Pedro Calado, acrescentou que é «uma das grandes», senão mesmo «das principais [economias]» em termos de importações e exportações.

«Tem uma população que é quase um quinto da população mundial. Portanto, para uma região como a nossa, com 250 mil habitantes, o abrirmos as nossas portas a uma região como esta, e com a sua importância económica, é trazer um potencial de investimento muito grande», assinalou Pedro Calado.

O promotor do acordo no lado português é a Invest Madeira, que está vocacionado para a diplomacia económica externa com vista à atracção de investidores de outros países e à internacionalização das empresas madeirenses.

P.D.O. com RTP Madeira

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *