Alteração do regime jurídico de arrendamento previsto no Código Civil (VII)

Conhecer as Leis de Macau

Alteração do regime jurídico de arrendamento previsto no Código Civil (VII)

As novas normas da Lei n.º 13/2017 (Alteração do regime jurídico do arrendamento previsto no Código Civil) entraram em vigor no dia 18 de Fevereiro do corrente ano. Das alterações introduzidas destacam-se, entre outras, a norma que prevê a necessidade de reconhecimento notarial das assinaturas que constam em contratos de arrendamento e a norma que prevê que o senhorio não goza do direito de denunciar o contrato de arrendamento antes do decurso de 3 anos sobre o início do arrendamento. A seguir, continuamos a apresentar o conteúdo destas alterações.

  1. Nos termos desta lei, o senhorio não pode denunciar o contrato de arrendamento antes do decurso de 3 anos sobre a data do início do arrendamento. Isto implica que o prazo do contrato de arrendamento celebrado pelas partes tem de ter uma duração mínima de 3 anos?

Não. O Código Civil não regula o prazo mínimo para a duração do contrato de arrendamento e a Lei n.º 13/2017 também não alterou nada quanto a esta matéria. Assim, cabe às partes decidirem o prazo do contrato de arrendamento. Por exemplo, o prazo pode ser de 1 ou 2 anos.

Quanto à estipulação que impede o senhorio de denunciar o contrato de arrendamento, ela está relacionada com o seguinte: antes, no n.º 2 do artigo 1038.º do Código Civil, estava previsto que “o senhorio não goza do direito de denunciar o contrato de arrendamento para o seu termo ou para o termo das renovações antes do decurso de 2 anos sobre o início do arrendamento” e agora foi alterado o prazo de “2 anos” para “3 anos”. Ou seja, de acordo com a nova lei, mesmo que o prazo de arrendamento fixado no início seja inferior a 3 anos (por exemplo, apenas 1 ou 2 anos), caso o arrendatário queira continuar com o arrendamento depois de expirar o prazo inicialmente acordado, uma vez que, efectivamente, ainda não se cumpriram três anos de arrendamento, o senhorio não goza do direito de denunciar o contrato, devendo continuar a arrendar o imóvel ao arrendatário.

 

  1. Em articulação com a pergunta anterior, se o imóvel arrendado for alienado, deve este prazo de 3 anos ser contado de novo?

Nos termos do previsto no artigo 1004.º do Código Civil, caso o imóvel arrendado seja vendido ou doado a outrem, o seu novo proprietário (comprador ou donatário) sucede na posição do locador do contrato de arrendamento anteriormente celebrado. Ou seja, o novo proprietário sucede, na qualidade de locador, nos direitos e obrigações do contrato de arrendamento, pelo que não é necessário contar de novo o prazo de 3 anos.

Texto fornecido pela Direcção dos Serviços de Assuntos de Justiça

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *