Imaculada Conceição de Maria (Padroeira da Diocese de Macau)

IMACULADA CONCEIÇÃO DE MARIA

Bispos gravaram o nome na Basílica de São Pedro.

Amanhã celebra-se a festa da Imaculada Conceição de Maria. Vale a pena recordar o caminho percorrido.

O Papa Francisco diz que a doutrina não muda, mas a Igreja progride na sua compreensão. Efectivamente, Jesus ensinou que «todo o escriba instruído acerca do reino dos céus é semelhante a um pai de família que tira do seu tesouro coisas novas e velhas» (Mt., 13, 52). O Concílio Vaticano II descreve esta dinâmica de fidelidade e descoberta dizendo que «a Igreja é confortada pela força da graça de Deus (…) para que não se afaste da perfeita fidelidade (…) e, sob a acção do Espírito Santo, não cesse de se renovar» (Lumen gentium, 9). A graça concedida a Nossa Senhora é uma destas descobertas: Imaculada, Auxiliadora, Medianeira, Mãe da Igreja!…

Não se inventou. Mais que estabelecer uma doutrina nova, a Igreja compreendeu a necessidade de se embeber na lógica de Deus, que exalta o que é pequeno, o que parece desprezível aos olhos dos homens, para o tornar uma peça-chave da história da humanidade. A colaboração de Maria na obra da redenção faz parte desta lógica divina. Ela não é Deus, não tem a seu favor o título da omnipotência divina. A eficácia de Maria vem da graça de Deus que multiplica infinitamente a pequenez humana e torna operativa a vida dos que Lhe são fiéis. Maria amou sem reservas e Deus fê-la rainha de todo o universo.

A doutrina da Imaculada Conceição sintetiza duas verdades que a Igreja compreendeu cada vez melhor. A primeira é que Nosso Senhor não Se deixa vencer em generosidade. A segunda é que a graça transforma tão completamente os actos humanos que converte os gestos mais simples em marcos históricos, enquanto o tempo desfaz em pó as epopeias vistosas.

Ir buscar água ao poço. Preparar a refeição do marido e do Filho. Cantar com umas amigas à sombra de uma árvore. Que há para dizer?

A vida de uma mulher simples, numa pequena aldeia de um país da periferia do Império Romano, ergue-se acima de todas proezas da humanidade, de todas as conquistas e lideranças. Maria, a jovem rapariga de Nazaré, vale mais, para Deus, que todas as glórias da Terra. Proclamar a Conceição Imaculada de Maria foi a forma de a Igreja manifestar a Deus que tinha compreendido a mensagem.

Para acompanharem o Papa Pio IX na definição do dogma, reuniram-se em Roma quase duzentos bispos. Concretamente, 54 cardeais, 42 arcebispos e 98 bispos. Chegaram do outro lado do Atlântico e das costas do Pacífico e das margens do Índico. Nunca se tinha visto uma reunião internacional tão numerosa e representativa da terra inteira. Antes, Pio IX consultara cada bispo do mundo e recebera respostas afirmativas entusiasmadas. Um pequeno número de cartas perdeu-se no correio e um ou outro bispo chamou a atenção para o perigo de alimentar equívocos em ambientes protestantes. O bispo D. Achille Ratti, que viria a ser Papa com o nome de Pio XI, foi um dos que alertou para esse perigo. Em face das respostas, Pio IX tomou a decisão.

8 de Dezembro de 1854. O momento da proclamação foi soleníssimo. Nas basílicas antigas, as pessoas não se sentavam em bancos, mas apertavam-se em pé, de modo que, onde hoje cabem trinta mil pessoas sentadas, poderiam estar naquele dia umas sessenta mil. Pio IX contou que, quando começou a ler o decreto, percebeu que não se faria ouvir no fundo da basílica mas, ao chegar à definição do dogma, Deus deu-lhe uma tal energia que a sua voz ecoou de uma ponta à outra. Ficou tão emocionado, que teve de suspender a leitura, sem conseguir conter as lágrimas. O embaixador da França relata que não foi só o Papa a emocionar-se e a derramar abundantes lágrimas. No momento em que ele se calou, “a emoção conquistou toda a assembleia. Houve um instante de interrupção e de silêncio que dizia mais que qualquer eloquência imaginável. O Santo Padre elevou os olhos ao céu a pedir a força que lhe faltava e recuperou pouco a pouco a sua voz sonora e harmoniosa que, imediatamente a seguir, transportava à extremidade do edifício as suas palavras sacramentais”.

Os bispos de todo o mundo que acompanharam o Papa na cerimónia de proclamação do dogma gravaram os seus nomes em grandes letras maiúsculas na parede lateral da abside da Basílica de São Pedro, com uma pequena introdução a recordar a Nossa Senhora o que tinham feito naquele dia.

Pouco depois, a 25 de Março de 1858, Nossa Senhora apareceu em Lourdes, nos confins da França, dando-se a conhecer como a Imaculada Conceição. Quem me dera ter o nome escrito naquela parede da Basílica de São Pedro.

José Maria C.S. André 

 Professor no Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *