SHENZHEN, UMA CIDADE PROJECTADA PARA O FUTURO

Shenzhen, uma cidade projectada para o futuro

Tecnologias de ponta por uma sociedade melhor.

As Regiões Administrativas Especiais de Macau e de Hong Kong têm algo em comum que as distancia pela negativa de Shenzhen. Só para citar alguns exemplos: na RAEM o planeamento urbano é uma miragem, sendo bastante evidente a poluição visual e atmosférica. Na RAEHK é gritante o contraste entre o distrito financeiro, as zonas de turismo e o que resta do território, na sua maior parte dominada por prédios em altura bastante sujos, onde viver é um suplício.

Já em Shenzhen respira-se ar puro, a disposição dos edifícios, estradas e zonas verdes obedecem a uma rigorosa concepção de ocupação do espaço, e a cidade é dominada por veículos movidos a energia eléctrica.

Shenzhen deixou de ser uma área de campos de cultivo para passar a uma cidade-modelo da província de Guangdong às portas de Hong Kong. As avenidas e passeios largos, as imensas zonas verdes entre edifícios erguidos em altura, o desenho moderno de muitos deles e o asseio das ruas só é equiparável ao forte investimento no sector tecnológico – trunfo do Poder Central para modernizar a China continental.

A convite do Gabinete de Ligação do Governo Central na RAEM, O CLARIM esteve em Shenzhen, entre os dias 27 e 29 de Abril.

Visitar as instalações do WeBank, o primeiro banco online privado da China, cujo principal accionista é a Tencent; da Da-Jiang Innovations, maior produtora de drones civis do mundo; da Tencent, proprietária do WeChat e do QQ; e do Centro de Controlo de Transportes de Shenzhen é quase o mesmo que recordar as películas futuristas de Hollywood de há dez ou vinte anos.

No WeBank deparámo-nos com quadros qualificados contratados no exterior, um trunfo essencial para responder às exigências competitivas da actividade. Também o aparato das soluções tecnologicas para a monitorização de clientes ao segundo (e não só) deixam qualquer um de boca aberta.

Fomos invadidos por idêntico sentimento nas instalações da Tencent, ao percebermos que a monitorização dos clientes é feita ao pormenor, o que deixa algumas interrogações sobre a privacidade de cada um. No entanto, a optimização dos serviços, por exemplo hospitalares, agradece sobremaneira à inovação de se poder marcar consultas através da aplicação do WeChat.

A visita ao Centro de Controlo de Transportes de Shenzhen confirmou o que já suspeitávamos: a monitorização online de pessoas tem em vista uma melhor vida em sociedade – aqui com o sentido de evitar congestionamentos de tráfego automóvel. No entanto, pode sempre levantar várias dúvidas quanto ao objectivo principal da implementação de tais soluções tecnológicas.

PEDRO DANIEL OLIVEIRA

em Shenzhen (China)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *