Jornal O Clarim

Semanário Católico de Macau

CARDEAL D. FERNANDO FILONI
Destaque Todas as Categorias

Cardeal D. Fernando Filoni, Prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos

«O contributo de Macau e de Hong Kong para a Igreja Universal é especial»

Macau recebeu no passado fim-de-semana o cardeal D. Fernando Filoni. O prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos abençoou as novas instalações da Universidade de São José, na Ilha Verde, numa cerimónia que reuniu mais de meio milhar de pessoas no auditório da instituição de Ensino Superior. Numa entrevista exclusiva a’O CLARIM, o antigo responsável pela Missão da Santa Sé na antiga colónia britânica elogiou o papel desempenhado por Macau e por Hong Kong em prol da abertura da China, abordou as conclusões da cimeira sobre a protecção de menores, que decorreu no Vaticano no final de Fevereiro, e antecipou uma eventual visita do Papa Francisco à China. Sobre este última tema, assegurou que a vontade existe. Só falta mesmo o momento certo…

O CLARIMVossa Eminência é o prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos. Quais são os principais objectivos deste organismo?

D. FERNANDO FILONI– A Congregação para a Evangelização dos Povos também é conhecida como “Propaganda Fide”. Este foi o seu primeiro nome, o seu nome em Latim. A palavra “propaganda” não tem nada a ver com a conotação que lhe é assacada hoje em dia. “Propaganda” em Latim significa exactamente a Congregação que propaga o Evangelho pelo Mundo. É este o verdadeiro significado do termo. A nossa Congregação foi criada há quatrocentos anos, pelo Papa Gregório XIII, e foi aperfeiçoada pelo Papa Urbano VIII. Foi criada por incentivo papal porque a Cúria Romana se apercebeu que, à época, eram muitos os países que estavam a estabelecer colónias aqui e acolá e, por vezes, utilizavam a religião para propósitos políticos. O Papa disse: «Não, não podemos permitir que se misture religião com propósitos políticos e comerciais». A evangelização é um dever primário da Igreja. A Igreja foi criada para evangelizar. Quando Jesus disse «Ide pelo mundo inteiro e anunciai a Boa-Nova» e criou um grupo – o dos Apóstolos – o que estava a fazer era a incumbir a Igreja da missão de evangelizar. O Papa afirmou: «Propagar o Evangelho é a nossa primeira missão. E queremos que esta missão esteja nas nossas mãos e não nas mãos de outros poderes». Essa foi a tarefa que desde então assumimos: propagar o Evangelho, espalhar a palavra de Deus por todos os povos. A nossa Congregação foi a primeira a actuar na América, quando o continente americano foi descoberto. Foi a primeira a trazer a Boa-Nova à Ásia, a África, à Oceânia, e isto é algo que encaramos como uma responsabilidade. Enquanto Congregação, somos hoje em dia responsáveis por estes grandes continentes: Ásia, África, Oceânia e partes da América Latina. Como o Concílio Vaticano II sublinhou, temos de encorajar a evangelização, promover a evangelização, organizar a evangelização e fazer com que os povos de todo o mundo ganhem consciência de que, enquanto católicos, devem ser missionários na sua própria terra e devem promover a inculturação da Igreja nos respectivos países. Hoje em dia temos sob a nossa égide mais de mil e duzentas dioceses. Somos responsáveis por elas. Nomeamos bispos, criamos seminários, promovemos a formação de sacerdotes. A propagação do Evangelho é a principal prioridade, mas não nos limitamos a propagá-lo. Costumamos dizer que a evangelização caminha com duas pernas: uma é o Evangelho e a outra é a Cultura. Procuramos levar educação a todo o lado, apostamos na formação e hoje contamos com a nossa própria rede de estabelecimentos escolares em varias localidades remotas de África e em outras regiões.

CLNo seu entender que desafios, que obstáculos, se colocam à actividade missionária?

D.F.F.– Uma vez que criámos e instalámos dioceses um pouco por todo o lado, em todos os continentes, temos a responsabilidade de ajudar estas jovens igrejas a crescer, a formar todos quantos são responsáveis por elas. É algo que temos que fazer a bem da evangelização propriamente dita. É absolutamente essencial que diferentes grupos étnicos, como por exemplo em África, possam compreender os Evangelhos através dos meios que estão ao seu dispor: a sua cultura, as suas capacidades, os seus conhecimentos e as sensibilidades que lhes são próprias. Não se trata apenas de lhes oferecer algo em que possam acreditar. Não é suficiente. A nossa missão é fazer com que o Evangelho se torne carne entre os povos. Este é um aspecto muito importante, mas também muito delicado. Não nos queremos impor, como o Papa Francisco fez questão de assinalar inúmeras vezes. Não queremos impor nada. Queremos apenas propor a nossa fé.

CLMacau e Hong Kong deram um enorme contributo para a evangelização na China. Que papel podem desempenhar as duas Regiões Administrativas Especiais no âmbito do acordo firmado entre a Santa Sé e o Governo Central?

D.F.F.– Estava a trabalhar nesta zona quando João Paulo II se pronunciou pela primeira vez sobre a abertura da China. Ele considerava que a Igreja em Taiwan, em Hong Kong e em Macau devem servir de ponte; devem servir de ligação entre os dois lados. Macau e Hong Kong são duas pontes que colocam a fé e o Evangelho ao serviço da comunidade católica da China continental. É importante que durante muitos anos Hong Kong e Macau tenham aberto tantas portas, mas importa sublinhar que este trabalho foi sempre feito da forma mais indicada. Devemos salientar também que a presença da Igreja na China já se faz notada. Nunca desapareceu e tornou-se mais forte. Cresceu em termos de vitalidade, em termos organizativos, na reconstrução de espaços que tinham sido destruídos e de comunidades que quase tinham desaparecido. É necessário que se diga que estando a Igreja já presente na China, a Igreja tornou-se por ela própria uma ponte. Para que uma ponte exista são necessários dois pilares. Um não é suficiente, são necessários dois. Esta ligação é de extrema importância.

CLMenciona a importância desta relação, mas o problema de Taiwan subsiste. A Santa Sé e a China assinaram recentemente um acordo provisório e há quem pergunte se a visita que fez à Formosa não pode comprometer este acordo…

D.F.F.– O convite que me levou a Taiwan não me foi endereçado. A Igreja em Taiwan convidou o Papa Francisco e o Santo Padre disse-lhes: «Vou enviar-vos um enviado especial». Eu fui o enviado do Santo Padre à celebração do Congresso Eucarístico. O propósito da minha visita foi meramente religioso. Não houve qualquer propósito político ou qualquer outra razão. Fico feliz pelo facto do Santo Padre me ter dado esta oportunidade, não só de o representar, mas também de encorajar estas Igrejas a continuar a espalhar a Palavra de Deus. Mantemos, obviamente, relações com todos e, no meu entender, esta foi uma boa oportunidade para demonstrar que a Igreja mantém uma posição de abertura a todos.

CLNeste seu regresso a Macau tem alguma mensagem especial para os católicos do território? Esteve reunido com o clero. Também se reuniu com os leigos?

D.F.F.– Não me parece que seja necessário devotar uma atenção especial em relação a Macau e Hong Kong. Macau e Hong Kong nada têm de especial. A única coisa especial sobre os dois é o facto de estarem na órbita da Grande China e isso é algo bom. A Igreja em Macau e em Hong Kong deve permanecer fiel à Igreja Universal, e deve tirar proveito desta capacidade de pertencer à Igreja Católica para oferecer aos fiéis em Macau e em Hong Kong a possibilidade de viverem ao máximo a sua fé, de viverem ao máximo a sua comunhão. É essencial que não se sintam à parte, porque são parcelas essenciais da Igreja Universal. Este aspecto, no entanto, não constituiu uma particularidade especial, mas trata-se de algum comum no seio da Igreja. Quando me desloco a África, não lhes digo: “Vocês são especiais”. São especiais apenas no sentido de que a fé que nutrem vai contribuir para a unidade da Igreja Universal. O contributo de Macau e de Hong Kong para a Igreja Universal é especial. Bem, é mais específico do que especial, dada a sensibilidade, a capacidade e as boas intenções que lhes são associadas. Os católicos em Macau e Hong Kong sentem que podem oferecer algo que os outros não podem e esse contributo é especial.

CLO monsenhor Ante Jozić vai deixar a Missão da Santa Sé em Hong Kong. É errado presumir que o substituto para uma posição tão importante já foi escolhido?

D.F.F.– Bem, não me cabe a mim definir o que vai acontecer, mas a verdade é que a Missão já existe há muitos anos. O monsenhor Ante foi promovido a arcebispo e a núncio apostólico. Fico feliz pelo contributo dado pela Missão na abordagem à Igreja na China. O trabalho conduzido pela Missão é muito importante para o Santo Padre e para a Igreja Universal. Muitas vezes a Igreja espalhada pelo mundo interroga-se: “E se os pudéssemos informar? E se pudéssemos partilhar com eles todos os elementos que conhecemos em relação à Igreja na China, em relação à Igreja em Macau e em Hong Kong?”. Neste momento, obviamente, estamos a olhar para o futuro e a Igreja está a ponderar qual é o próximo passo a ser tomado. Certamente que a Santa Sé não vai esquecer Hong Kong, Macau ou Taiwan, da mesma forma que não esquece qualquer país, a China incluída.

CLHong Kong está também à espera de um novo bispo…

D.F.F.– A questão da nomeação de um novo bispo para Hong Kong está nas mãos da Providência. Temos de estudar todas as possibilidades, teremos de ver, mas até ao momento nada está decidido.

CLLiderou durante alguns anos a Missão da Santa Sé em Hong Kong. Macau e Hong Kong mudaram muito ao longo dos últimos anos. A Igreja Católica ainda tem uma presença importante em ambas as Regiões Administrativas Especiais?

D.F.F.– Sim, não vejo porque não teria. Conheço o passado e conheço o presente, e na minha perspectiva a Igreja mantém-se forte em ambos os lados. O Bispo, os sacerdotes, as religiosas, os leigos… Todos eles estão a fazer um trabalho extraordinário. É um trabalho que é admirado. Apesar de sermos uma minoria, damos um grande contributo. É um contributo que se manifesta não só através da fé, mas também do trabalho que desenvolvemos enquanto testemunhas de Cristo. Tentamos dar o nosso melhor em domínios como a educação ou a assistência social e não agimos apenas de um ponto de vista académico. É algo que fazemos com alma e com amor.

CLNa cimeira que discutiu em Roma a protecção de menores foram tomadas medidas concretas em número suficiente? O Papa Francisco dizia que é absolutamente necessário promover medidas concretas e não ficar apenas no plano das intenções…

D.F.F.– Creio que se avançou para o encontro com expectativas muito elevadas em relação à adopção de medidas práticas, mas quando se tem que se decidir sobre pessoas, especialmente contra os que são acusados, a ideia de justiça é muito importante. Não se pode, pura e simplesmente, eliminar ou afastar alguém só porque outra pessoa disse “o senhor fez isto e isto”. O que não falta são casos de pessoas que foram acusadas injustamente. A justiça é essencial. Se não existir justiça – seja em questões ligados à religião ou ao próprio primado da lei – o mais certo é que a sociedade entre em colapso. Sobre esta questão delicada, o que a cimeira permitiu foi que os bispos, sacerdotes e membros das diferentes congregações religiosas ganhassem consciência de que é absolutamente necessário defender os menores. O Papa no seu último discurso sublinhou este aspecto: as principais vítimas, os principais afectados são os menores, as crianças, os que nunca chegaram a nascer, os que estão doentes. Isto não é algo que se cinge ao passado. É algo que ainda acontece nos nossos dias. É costume dizer-se “se não há esperança, então é melhor que se eliminem os problemas”. Este pensamento é inadmissível. Para nós é importante que os menores, os que foram excluídos, sejam parte da nossa sociedade. Temos de fazer uma introspecção profunda, não apenas no seio da Igreja, mas fazer com que esta introspecção também envolva o mundo. As mensagem que o Papa deixou à sociedade e aos grupos que defendem as vítimas é clara: «Esta tomada de consciência vai traduzir-se em decisões legais, numa postura rigorosa por parte da Igreja». Este é um processo lento, mas no qual nós estamos a trabalhar.

CLOs dois epíscopos chineses que participaram no Sínodo dos Bispos, em Roma, disseram que endereçaram um convite ao Papa Francisco para visitar a China. Acredita que uma tal visita se pode vir a realizar?

D.F.F.– No passado, já desde o pontificado de João Paulo II, que foram feitos convites a bispos chineses para que participassem no Sínodo, mas tal nunca se prefigurou possível. Finalmente participaram, conheceram os outros bispos, estiveram connosco e eu próprio tive a oportunidade de me reunir com eles. Sou testemunha da alegria que sentiram. Partilharam connosco o que tinham para oferecer: amor, alegria e o entusiasmo por poderem ser parte desta grande experiência de comunhão com os bispos de todo o mundo. Até agora faziam parte de uma outra dimensão, mas depois desta primeira oportunidade, sei que terão, porventura, interesse em partilhar esta experiência com os outros e esta é uma dimensão maravilhosa. Ainda que a presença deles entre nós se tenha limitado a um período de duas semanas, foi algo maravilhoso. Foi o começo de algo importante.

CLAcredita que o Papa Francisco poderá ponderar o convite que lhe foi feito e visitar a China?

D.F.F.– Estou certo que é uma viagem que o Papa gostaria de fazer. Talvez esteja apenas a aguardar pelo momento certo.

Pe. José Mario Mandía

Edição: José Miguel Encarnação e Jasmin Yiu

Tradução: Marco Carvalho

LEAVE A RESPONSE

Your email address will not be published. Required fields are marked *