Category Archives: Eclesial

Imaculada Conceição de Maria (Padroeira da Diocese de Macau)

IMACULADA CONCEIÇÃO DE MARIA

Bispos gravaram o nome na Basílica de São Pedro.

Amanhã celebra-se a festa da Imaculada Conceição de Maria. Vale a pena recordar o caminho percorrido.

O Papa Francisco diz que a doutrina não muda, mas a Igreja progride na sua compreensão. Efectivamente, Jesus ensinou que «todo o escriba instruído acerca do reino dos céus é semelhante a um pai de família que tira do seu tesouro coisas novas e velhas» (Mt., 13, 52). O Concílio Vaticano II descreve esta dinâmica de fidelidade e descoberta dizendo que «a Igreja é confortada pela força da graça de Deus (…) para que não se afaste da perfeita fidelidade (…) e, sob a acção do Espírito Santo, não cesse de se renovar» (Lumen gentium, 9). A graça concedida a Nossa Senhora é uma destas descobertas: Imaculada, Auxiliadora, Medianeira, Mãe da Igreja!…

Unidos a Maria Santíssima no Encontro com o Menino Jesus

Advento leva ao Salvador

Advento leva ao Salvador.

Iniciámos no passado Domingo, dia 2 de Dezembro, o novo Ano Litúrgico (Ano C) com o Advento que antecede o Natal. Seguem-se quatro semanas para meditarmos no mistério da Encarnação, que dele se resplandecem Maria Santíssima e Nosso Senhor Jesus Cristo – Deus que se fez homem. Nos próximos dias esperamos a vinda gloriosa do Senhor, e lembramos a espera dos profetas e de Nossa Senhora pelo nascimento do Salvador em Belém. A palavra “Advento”, que provém do Grego parusia, significa “presença”, “chegada”, “presença iniciada”.

Teologia, Uma dentada de cada vez (11)

Jesus tinha um plano de sucessão?

Jesus tinha um plano de sucessão?

Muitas pessoas vêem Jesus Cristo como sendo excepcional e aceitam a Sua divindade, embora também para muitas seja uma personagem ligada a um passado muito remoto, sem conexão com o presente. Será assim? Ou, por outro lado, Jesus assegurou que a Sua missão continuaria através dos séculos?

Os Evangelhos Sinópticos (Mateus, Marcos e Lucas) dizem-nos que Jesus escolheu pessoalmente doze homens, de entre os Seus seguidores (discípulos), aos quais entregou uma missão especial (enquanto apóstolos): «E Ele chamou os Seus doze discípulos e concedeu-lhes autoridade [poderes] sobre os espíritos impuros, para expulsá-los e curar todas as doenças e enfermidades (Mateus 10:1)»; «Subiu a uma montanha e chamou aqueles que quis; eles vieram ter com Ele. E designou doze, para ficar com Ele, para serem enviados a pregar, e tinham autoridade [poder] de expulsar os demónios (Marcos 3:13-15)»; «Naqueles dias, Ele subiu a uma montanha para rezar, e rezou continuamente a Deus, durante toda a noite. E quando se fez dia, chamou os Seus discípulos, e escolheu doze de entre eles, aos quais chamou de apóstolos (Lucas 6:12-13)».

Cimeira do Clima na Polónia

CIMEIRA DO CLIMA NA POLÓNIA

Igreja alerta contra alterações climáticas

O Vaticano e várias instituições católicas estão presentes na Cimeira do Clima – COP24 que decorre na Polónia, com um apelo global contra os efeitos das alterações climáticas.

O documento foi assinado em Outubro, na cidade de Roma, pelos presidentes de seis confederações continentais das Conferências Episcopais, em defesa de acções políticas e da comunidade internacional contra os efeitos das alterações climáticas.

Um livro de vivências que reflecte uma vida com sentido

“Ventos de Mudança”

“Ventos de Mudança”

A vida é um constante fluir na cadência dos nossos dias e na construção do nosso ser que urge formar, desenvolver, aperfeiçoar e consolidar.

Somos peregrinos na terra, em busca da Pátria prometida, o Céu, miragem única e fascinante que a todos atrai e incita a alcançar. Vidas simples, outras mais complexas, algumas sem história, outras contadas e reforçadas pelo palpitar do coração e dos sentidos que despertam uma avassaladora ambição de viver todos os momentos como se fossem os últimos e os únicos.

Na verdade, a vida é uma viagem admirável, é uma vertigem que passa ou um rio que corre sempre no seu leito, uns dias mais agitado, outros mais tranquilo, mas não volta nunca para trás, o seu fim é a foz…

Cismas, Reformas e Divisões na Igreja-LXXXVI

CISMAS, REFORMAS E DIVISÕES NA IGREJA – LXXXVI

O Relativismo – III

Voltamos às questões e dissidências na Igreja, às heresias e divisões, às crises, externas e internas. E eis de novo o relativismo. Este que é uma das correntes filosóficas que mais tem alastrado na sociedade contemporânea. Neste «nosso mundo [que] é o teatro de uma batalha entre o bem e o mal», como referia Santo Inácio de Loiola, fundador da Companhia de Jesus, nos seus “Exercícios Espirituais”, recordado por Bento XVI à XXXV Congregação Geral da Companhia de Jesus (Jesuítas), em 2008, que ainda acrescentou, nessa alocução, que «(…) estão em acção poderosas forças negativas, que causam aquelas dramáticas situações de subjugação espiritual e material dos nossos contemporâneos (…)». Bento XVI disse ainda, mais analítico que profético, no mesmo contexto, que «estas forças manifestam-se hoje de muitas formas, mas com particular evidência através de tendências culturais que se tornam com frequência predominantes, como o subjectivismo, o relativismo, o hedonismo e o materialismo prático».

Papa afirmou na Solenidade de Cristo-Rei

PAPA AFIRMOU NA SOLENIDADE DE CRISTO-REI

«O Universo não avança ao acaso»

O Papa assinalou, no passado Domingo, a Solenidade de Cristo-Rei, com que se conclui o ano litúrgico na Igreja Católica, e disse que o Universo «não avança ao acaso».

Falando desde a janela do apartamento pontifício, antes da recitação do Angelus, Francisco sublinhou que esta celebração «recorda que a vida da criação não avança ao acaso, mas dirige-se para uma meta final, a manifestação definitiva de Cristo, Senhor da história e de toda a criação».

Numa reflexão sobre a realeza de Cristo e do seu reino, o Papa referiu que, em toda a sua vida, foi «evidente» que Jesus «não teve ambições políticas. Para Jesus, o reino é algo diferente e não se realiza, certamente, com a revolta, a violência e a força das armas».

Teologia, Uma dentada de cada vez (10)

TEOLOGIA, UMA DENTADA DE CADA VEZ (10)

Credenciais

Jesus afirma ser Deus. E como é que Ele o prova? Que credenciais é que apresenta? Podemos apresentar duas: Milagres e Profecias.

MILAGRES – Jesus não demonstrou apenas grande sabedoria. Ele apoiava as Suas palavras com acções prodigiosas. São Marcos diz-nos «como Ele começou a ensinar na sinagoga num sábado [Sabbath – sábado, dia sagrado dos judeus], e muitos dos que o ouviam ficaram espantados, questionando “onde é que este Homem foi buscar tudo isto? De onde Lhe veio todo este conhecimento? [ou: quem foi que Lhe deu todo este conhecimento?] Que obras prodigiosas serão feitas pelas Suas mãos!”. (Marcos 6:2)».

Leon Tolstói – “A Morte de Ivan Ilitch”

LEON TOLSTÓI – “A MORTE DE IVAN ILITCH”

Do consumismo ao vazio

Um pequeno grande livro, um romance em que o autor aborda quase tudo sobre a vida e a morte, num reduzido número de páginas.

A cadência duma vida normal de trabalho, de família e de sucesso, fazem do herói desta obra um homem vulgar, banal, satisfeito, feliz e serenamente instalado, sem necessidade de se interrogar sobre o sentido da sua existência.

Monsenhor Bernard PetitJean, MEP

MONSENHOR BERNARD PETITJEAN, MEP

O Renascimento Missionário no Japão

Ao ouvir estas duas frases, «Nós temos o mesmo coração que tu!» e «Onde está a imagem de Santa Maria?», o seu coração estremeceu, o seu zelo missionário abrasou-se e o seu amor pelo Japão não mais esmoreceu. O padre Bernard-Thadée Petitjean, das Missões Estrangeiras de Paris (MEP), experimentou aqui, na primeira pessoa, o ponto de chegada dos elos de transmissão de uma fé escondida, encriptada ao longo de séculos. No Japão, uma terra linda, uma aguarela natural, mas que se revelara agreste e fechada para a novidade do Evangelho. Mas a semente caiu à terra…

Eclesial

Terço na mão e fé no coração

Terço na mão e fé no coração

O Terço é um intercâmbio entre Deus e a Humanidade, que se foi adaptando às necessidades de cada época na salvação dos homens, mas sempre, sempre, por intercessão de Maria.

Quanto à origem mais remota do Santo Rosário, podemos dizer que nasceu no mistério da Anunciação, com a saudação do arcanjo São Gabriel à Virgem de Nazaré: «Avé, cheia de graça, o Senhor é contigo» (Lc., 1, 28). A oração tem a sua continuidade nas palavras inspiradas pelo Espírito Santo que saíram da boca de Santa Isabel: «Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre» (Lc., 1, 42).

Papa almoçou com pobres no Vaticano

«Proximidade» a quem passa necessidade

«Proximidade» a quem passa necessidade

O Papa Francisco assinalou a 18 de Novembro o II Dia Mundial dos Pobres, com um almoço que reuniu milhares de pessoas com necessidades, voluntários e representantes de instituições de caridade, no Vaticano.

«Este dia, que envolve cada vez mais paróquias, associações e movimentos eclesiais, quer ser um sinal de esperança e um estímulo para que nos tornemos instrumentos de misericórdia no tecido social», explicou o Pontífice aos peregrinos reunidos na Praça de São Pedro, ao meio-dia de Roma, para a oração do Angelus.

Teologia, uma dentada de cada vez (9)

Jesus é credível?

Jesus é credível?

Já examinámos a validade dos Evangelhos e concluímos que podem ser considerados autênticos registos históricos. Assim que começamos a ler os Evangelhos reparamos imediatamente numa nova personagem principal: Jesus. E o que descobrimos? Que faz afirmações que a maioria das pessoas acha simplesmente incríveis.

Para podermos compreendê-lo é importante relembrar o Antigo Testamento, quando Deus revela a Moisés o Seu nome. O Êxodo (3:13-14) diz-nos: «Então Moisés perguntou a Deus: “Se for ter com o povo de Israel e lhes disser ‘O Deus dos vossos pais enviou-me a vós’, e eles me perguntarem ‘Qual é o Seu Nome?’, o que lhes direi?”. Deus respondeu a Moisés: “EU SOU AQUELE QUE SOU” [em Hebreu, “YHWH”]. E acrescentou: “Diz isto ao povo de Israel, ‘EU SOU enviou-me a vós’”». Os hebreus veneravam tanto este nome que evitavam pronunciá-lo. No seu lugar usavam Adonai (Senhor). Os estudiosos (eruditos) dizem que no tempo de Jesus o nome sagrado era pronunciado apenas durante o Dia do Perdão (Yom Kipur).

A Secreta Transmissão da Fé

Os “Cristãos Escondidos” no Japão – V

Os “Cristãos Escondidos” no Japão – V

A abertura Meiji ao exterior parecia fluir em todas as vertentes da vida moderna. Mas não no aspecto religioso. Este chocava com o nacionalismo crescente no País e a ligação entre o Estado e as religiões tradicionais japonesas, o Xintoísmo e o Budismo. Parecia não haver espaço para o Cristianismo. As pressões externas redobravam-se a cada ano, as críticas eram ásperas perante o tratamento dado aos cristãos e aos missionários no País que se abria ao exterior. A opinião pública internacional criticava cada vez mais violentamente o Japão. Onde os ataques às igrejas se sucediam, o flagelo anti-cristão persistia.

Baptismo de Jesus, Revelação da Santíssima Trindade e Curiosidades Geográficas

Rio Jordão, seus mistério e significados

Rio Jordão, seus mistério e significados

Recentemente circulou nas redes sociais uma notícia que dava conta do aparecimento de pequenos peixes numas “piscinas” do Mar Morto. Não é a primeira vez que somos confrontados com notícias especulativas que nos apontam para vida nas águas deste mar altamente salificado, também conhecido por Mar Salgado. Dado o elevado nível de sal nas suas águas – muito acima do que se encontra nos Oceanos – não lhe é permitido a existência de vida. Alguns dos “vigilantes” do Mar Morto esperam vida surgir nestas águas, em virtude de uma profecia de Ezequiel (Ez., 47:1-12).

Pondo de parte as especulações e indo ao encontro das Escrituras, partindo neste caso do Mar Morto, podemos construir uma reflexão com elementos que não só nos inspiram mas sustentam a nossa fé cristã.