Category Archives: Eclesial

Cristóvão Ferreira

Cristóvão Ferreira

O jesuíta apóstata.

Cristóvão Ferreira nasce por volta de 1580 em Zibreira, Torres Vedras, e entra na Sociedade de Jesus no final do ano de 1596. Depois de cumprir o período de noviciado, faz os primeiros votos em Dezembro de 1598, em Coimbra, onde estuda durante os dois anos seguintes. A 4 de Abril de 1600, embarca para a Índia a bordo do navio “São Valentim”, tendo chegado a Goa alguns meses depois. A “Roma do Oriente” foi apenas o primeiro passo na sua jornada rumo ao Extremo Oriente. Após recuperar dos rigores dessa viagem, Ferreira e vários outros companheiros que estavam destinados às missões da China e Japão partiram novamente, desta feita para Macau.

Filosofia, uma dentada de cada vez (8)

Porque é que me devo preocupar com o “regresso às imagens”

Porque é que me devo preocupar com o “regresso às imagens”

Porque é que alguém se deve preocupar com o “conversio ad phantasmata” (regresso às imagens)? Boa pergunta!

Façamos uma rápida revisão. Vimos que o intelecto trabalha em três fases. A apreensão simples, o julgamento e o raciocínio. A primeira operação intelectual (a apreensão simples) consta de três pequenas etapas. O intelecto abstrai o essencial do “phantasma” ou imagem, o intelecto produz um conceito/ideia/noção, e então o intelecto volta ao objecto concreto através da sua imagem ou “phantasma”. Esta acção, de voltar a atenção novamente para a imagem, é conhecida, apropriadamente, como “regresso à imagem” “conversio ad phantasma” (“phantasmata” é a forma plural).

Família e Fé

Uma pessoa madura

Uma pessoa madura

Com o passar do tempo todas as pessoas envelhecem. Mas, se repararmos bem, nem todas amadurecem. Parece que, ao contrário do que acontece com o bom vinho, o tempo não nos melhora automaticamente. Não nos amadurece. Precisamos de um outro “ingrediente”.

Mas, afinal, que elixir misterioso é esse?

Talvez seja a pergunta pelo sentido da vida.

Cismas, Reformas e Divisões na Igreja – XI

Da Antiguidade à Idade Média

Da Antiguidade à Idade Média

Para se perceberem as heresias, cismas, divisões, rupturas ou controvérsias e tensões no seio da Igreja, há que analisar o seu contexto histórico, antropológico e geográfico. A Igreja em crescimento e em agitação é constituída de homens, mulheres, povos inteiros, nações e Estados, diferenças e antagonismos, harmonias ou equilíbrios, mais ou menos frágeis, mas acima de tudo é feita de Humanidade. Por isso, todas as questões que analisamos nesta série são-no não apenas por motivos religiosos, doutrinais, espirituais, teológicos enfim, mas igualmente causadas por todas diferenças no seio da Cristandade. Porque se trata de uma Igreja una baseada na pluralidade, na diversidade, provavelmente a sua maior riqueza.

Primeira fase do restauro chega ao fim

Santo Sepulcro com mais brilho

Santo Sepulcro com mais brilho

A conclusão da primeira fase de restauro do Santo Sepulcro, em Jerusalém, foi assinalada na passada quarta-feira com uma celebração ecuménica, após dez meses de trabalhos no local.

O jornal do Vaticano, L’Osservatore Romano, referiu que “está tudo pronto” para que os visitantes possam voltar a passar pelo espaço que marca a sepultura e ressurreição de Jesus.

Filosofia, uma dentada de cada vez (7)

Que são as Operações do Intelecto?

Que são as Operações do Intelecto?

As três formas pela qual obtemos conhecimento (através dos sentidos, pelo raciocínio e por testemunho) mostram-nos que não temos ideias inatas/congénitas.

Tudo o que sabemos, de alguma maneira, vem do exterior da nossa mente. Aristóteles, no seu ensaio “De anima” – “Sobre a Alma”, diz-nos que quando nascemos a mente é como uma folha de papel em branco – “tamquam tabula rasa” – como uma superfície limpa, na qual ainda ninguém escreveu nada.

Família e Fé

Saber dialogar

Saber dialogar

«Gostaria muito que as pessoas mais velhas soubessem pôr-se mais ao nosso nível. Aborreço-me profundamente ao ouvir os adultos falarem como se estivessem num pedestal. Parece que estão convencidos de ter sempre razão.

Muitas vezes, quando tentamos dialogar com eles só sabem responder: “Acabou-se a conversa. Faz o que eu te estou a dizer. Tu não percebes nada disto”.

Cismas, Reformas e Divisões na Igreja – X

O perigo da desintegração da Igreja

O perigo da desintegração da Igreja

Muitas vezes as divisões nasceram de fervor de fé ou apego às tradições. Da querela chegou-se rapidamente à discussão e a rupturas. Eram necessários equilíbrios e pontes. Ninguém melhor que um “fazedor de pontes” – pontifex em Latim, ou pontífice… – para dirimir e ultrapassar questões e evitar que se transformassem em divisões. Já aqui falámos de São Gregório I Magno. Antes do Ano Mil, tempo de conturbação, impõe-se recordar de novo a sua acção em prol da unidade e da luta contra a desintegração, ou fracção, da Igreja, uma unidade plural e transnacional, multiétnica e plurilinguística, tendente muitas vezes à fragmentação. Unir era o imperativo e impunha-se, cada vez mais. Porque cada vez mais era também difícil.

China

Autoridades prendem cinco cristãos protestantes

Autoridades prendem cinco cristãos protestantes

A Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) informou que as autoridades chinesas prenderam pelo menos cinco cristãos protestantes, dirigentes de comunidades em Liaoning, por estarem envolvidos na distribuição de literatura religiosa.

O secretariado português da AIS assinala que os cinco cristãos, quatro mulheres e um homem, pertencem à Igreja Chaoguang e foram acusados de vender “livros de devoção cristã oficialmente proibidos”, a 22 de Fevereiro.

Filosofia, uma dentada de cada vez (6)

Ler, porquê?

Ler, porquê?

Ainda estamos a discutir os três reinos: a realidade (o mundo exterior a nós), o conteúdo mental (o nosso mundo interior feito de sensações e pensamentos) e a linguagem (falada e escrita). Seguindo a explicação de Aristóteles dissemos que a linguagem depende do conteúdo mental e o conteúdo mental depende da realidade.

Também vimos que existem diferentes graus de complexidade no mundo real, desde a mais simples das matérias dos elementos químicos (ex: oxigénio) até ás realidades espirituais (ex: amor).

Família e Fé

Dizer que não

Dizer que não

«Gosto muito do meu filho – dizia um senhor numa reunião de pais na escola – e procuro que ele se dê conta disso. No entanto, reconheço que algumas vezes o meu filho porta-se mal. É verdade que ele só tem sete anos de idade. Mas também é verdade que eu tento não me esquecer desse “pormenor” quando converso com ele sobre o seu comportamento.

No outro dia, um psicólogo disse à minha mulher que nessas idades ninguém se porta propriamente mal.

Cismas, Reformas e Divisões na Igreja – IX

A persistência das controvérsias até ao ano mil

A persistência das controvérsias até ao ano mil

As heresias que afligiram a Igreja dos primeiros séculos foram causadas acima de tudo por um processo de tentativa de compreensão da verdade revelada. As heresias e controvérsias teológicas revelam-nos, todavia, duas facetas: as exigências cristãs e as tendências culturais e espirituais dos cristãos de então. São o eco, provavelmente, de épocas de angústia ou dúvida. Nessa época, a maioria das heresias, como temos visto, são de tipo judaico-cristão e surgiram devido a interpretações doutrinais distintas que se estribaram em dois polos: por um lado a cristologia, do outro a vivência da lei de Moisés.

Observador da Santa Sé na ONU deixa alerta

Há «contínua deterioração» da liberdade religiosa

Há «contínua deterioração» da liberdade religiosa

O observador permanente da Santa Sé junto das instituições das Nações Unidas com sede em Genebra, na Suíça, defendeu a urgência de consagrar «a liberdade religiosa como um direito humano fundamental».

Numa declaração enviada à Agência ECCLESIA, e feita durante uma sessão da ONU dedicada a esta questão, D. Ivan Jurkovic recordou as violações que hoje continuam a ser cometidas contra cristãos e pessoas de diferentes religiões e credos, quando a liberdade religiosa deveria estar aberta «a todas as pessoas e em todos os países».

Filosofia, uma dentada de cada vez (5)

Um leitor perguntou-nos: E qual é o melhor caminho?

Um leitor perguntou-nos: E qual é o melhor caminho?

Um jovem local, estudante do liceu, que afirmou não professar nenhuma religião, mas que tem seguido esta série de artigos, enviou-nos uma pergunta pertinente, e eu gostaria de responder antes de continuarmos.

Perguntou, referindo-se às três formas pelas quais adquirimos conhecimento (o uso dos sentidos, o uso do raciocínio, o uso da informação fornecida por terceiros), qual delas deverá uma pessoa utilizar para provar a existência de Deus?

Cismas, Reformas e Divisões na Igreja – VIII

As heresias e divisões no século V

As heresias e divisões no século V

Temos neste espaço reflectido sobre as heresias dos primeiros séculos do Cristianismo. As divisões geradas, os cismas dilacerantes, as fracturas e controvérsias. O Ocidente, como o Oriente, viveram estes acontecimentos de forma quase dramática, dada a importância do fenómeno religioso nesses tempos. Nem sempre ultrapassados, antes radicalizados, todos estas querelas ajudaram a fortalecer a fé de uma Igreja que se impunha cada vez mais. O Papa Gregório I, já vimos, foi um dos que mais lutou. Mas no seu tempo, nos séculos V e VI, na transição para a Idade Média, que heresias e controvérsias subsistiam, ou surgiram?