Jornal O Clarim

Semanário Católico de Macau

Há diferentes significados nas Escrituras?
Eclesial Todas as Categorias

Teologia, Uma Dentada de Cada Vez (21)

Há diferentes significados nas Escrituras?

 

“Na Sagrada Escritura, Deus fala ao homem à maneira dos homens. Portanto, para bem interpretar a Escritura, é necessário prestar atenção (1) ao que os autores realmente quiseram dizer, e (2) àquilo que aprouve a Deus manifestar-nos pelas palavras dos autores” (Catecismo da Igreja Católica, nº 109). A linguagem humana corrente envolve normalmente diferentes significados. Podemos esperar o mesmo da Sagrada Escritura. Como é que podemos estar seguros do significado ou sentido das passagens da Bíblia?

O ponto nº 115 do CIC diz-nos: “Segundo uma antiga tradição, podemos distinguir dois sentidos da Escritura: (1) o sentido literal e (2) o sentido espiritual, subdividindo-se este último em sentido (2a) anagórico, (2b) moral e (2c) anagógico”.

(1) O sentido literal “é expresso pelas palavras da Escritura e descoberto pela exegese, segundo as regras da interpretação correcta – ‘Omnes sensus (sc. Sacrae Scripturae) fundentur super litteralem’ – ‘Todos os sentidos (da Sagrada Escritura) fundamentam-se no literal’ (São Tomás de Aquino)” (CIC, nº 116).

Exegese? O que é? Exegese (em Grego, “exegeisthai”, interpretar ou explicar) é o esforço para interpretar ou explicar a Sagrada Escritura. Todos os que fazem esse trabalho são chamados de “exegetas”.

E quanto ao (2) sentido espiritual?

“Graças à unidade do desígnio de Deus, não só o texto da Escritura, mas também as realidades e acontecimentos de que fala podem ser sinais” (CIC, nº 117). Pessoas, coisas e eventos podem simbolizar realidades futuras de três formas:

Pelo (2a) sentido anagórico “podemos adquirir uma compreensão mais profunda dos acontecimentos, reconhecendo o seu significado em Cristo: por exemplo, a travessia do Mar Vermelho é um sinal da vitória de Cristo e, assim, do Baptismo” (I Coríntios 10:2). Na realidade, se fizermos um estudo aprofundado do Antigo Testamento, descobriremos muitas coisas, pessoas e acontecimentos da fé católica. Podemos recorrer ao Antigo Testamento para provar que a Igreja Católica é a religião que Deus preparou e estabeleceu.

(2b) Sentido moral – Os acontecimentos referidos na Escritura podem conduzir-nos a um comportamento justo. Foram escritos «para nossa instrução (I Coríntios 10:11; Hebreus 3:1 / 4:11)» (CIC, nº 117). A Bíblia não nos transmite apenas ideias para nossa compreensão. Ela move-nos para a acção. Diz-nos o que devemos fazer.

(2c) Sentido anagógico – Podemos ver realidades e acontecimentos no seu significado eterno, o qual nos conduz (em Grego, “anagoge”) em direcção à nossa Pátria. Assim, «a Igreja terrestre é sinal da Jerusalém celeste (Revelação 21:1 / 22:5)» (CIC, nº 117). A Bíblia relembra-nos constantemente que a nossa morada não é desde mundo fugaz, mas da vida após a morte.

Os exegetas têm que ter estes significados em conta, ao explicarem a Sagrada Escritura. O CIC (nº 119), ao citar a “Dei Verbum” (“Palavra de Deus”), refere: “Cabe aos exegetas trabalhar, de harmonia com estas regras, por entenderem e exporem mais profundamente o sentido da Sagrada Escritura, para que, mercê deste estudo, de algum modo preparatório, amadureçam o juízo da Igreja. Com efeito, tudo quanto diz respeito à interpretação da Escritura está sujeito ao juízo último da Igreja, que tem o divino mandato e o ministério de guardar e interpretar a Palavra de Deus” (“Dei Verbum”, 12, nº 3).

O Catecismo da Igreja Católica adiciona algumas palavras de Santo Agostinho: “Ego vero Evangelio non crederem, nisi me catholicae Ecclesiae commoveret auctoritas” – “Quanto a mim, não acreditaria no Evangelho se não me movesse a isso a autoridade da Igreja Católica” (Santo Agostinho, “Contra epistolam Manichaei” – “Contra a Carta de Maquiavel”).

Pe. José Mario Mandía

LEAVE A RESPONSE

Your email address will not be published. Required fields are marked *