Processamento na cessação da relação de trabalho no âmbito do regime de previdência central não obrigatório (primeira parte)

Conhecer as Leis de Macau

Processamento na cessação da relação de trabalho no âmbito do regime de previdência central não obrigatório (primeira parte)

A Lei n.º 7/2017 (Regime de previdência central não obrigatório) entrou em vigor em 1 de Janeiro deste ano. Na semana passada, falámos nesta coluna sobre as disposições relativas ao levantamento de verbas do regime de previdência central não obrigatório. Hoje vamos apresentar como é o processamento deste regime na cessação da relação de trabalho.

De acordo com a lei, nos planos conjuntos de previdência, as contribuições são iniciadas no mês seguinte ao mês em que seja acordada por escrito a adesão do trabalhador ao respectivo plano e terminam no mês seguinte ao da cessação da relação de trabalho. O empregador e o trabalhador após a adesão ao regime de previdência central não obrigatório efectuam mensalmente o pagamento de contribuições junto da entidade gestora de fundos, sendo as mesmas registadas nas respectivas subcontas. Neste caso, o que acontece com os direitos dos sujeitos nas respectivas subcontas de contribuições aquando da cessação da relação de trabalho? Em seguida, iremos apresentar como é o processamento do regime de previdência central não obrigatório aquando da cessação da relação de trabalho, relativamente ao empregador e ao trabalhador.

 

Processamento em relação ao empregador

No mês seguinte ao da cessação da relação de trabalho, o empregador deve, mediante apresentação de um impresso próprio, notificar este facto à entidade gestora de fundos. Recebida a notificação e de acordo com as taxas de reversão de direitos nos planos conjuntos de previdência e o tempo de contribuição, a entidade gestora de fundos calcula o saldo das contribuições efectuadas pelo empregador para saber qual o montante a que tem direito o trabalhador aquando da cessação da relação de trabalho, bem como procede ao respectivo processamento. Em relação às verbas correspondentes à parte do saldo das contribuições efectuadas pelo empregador ao qual o trabalhador não tem direito, o empregador pode utilizá-las no pagamento de contribuições de outros trabalhadores ou requerer ao Fundo de Segurança Social o levantamento das mesmas. No entanto, estas verbas não podem ser objecto de benefício fiscal.

Iremos continuar nesta coluna com a apresentação do processamento após a cessação da relação de trabalho do regime de previdência central não obrigatório na próxima semana.

Obs.: Na elaboração da presente coluna tivemos como principal referência as disposições contidas na Lei n.º 7/2017 e no Regulamento Administrativo n.º 33/2017.

Texto fornecido pela Direcção dos Serviços de Assuntos de Justiça

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *