Category Archives: Eclesial

Filosofia, uma dentada de cada vez (76)

É o Homem naturalmente religioso?

É o Homem naturalmente religioso?

A natureza do Homem faz dele um ser racional e social. Ora, isto também faz dele um ser religioso?

Se formos pelo mundo fora e explorarmos os seus recantos mais remotos, provavelmente descobriremos que cada cultura tem uma forma de crença religiosa. O fenómeno religioso encontra-se onde quer que haja seres humanos. E isto é um facto que também é estudado pela filosofia. De facto, o Homem é o único ser capaz de ser religioso; é o único ser no mundo que anseia por algo maior e que acredita em alguma divindade.

Cismas, Reformas e Divisões na Igreja – LXXVII

O Modernismo

O Modernismo

Estamos na segunda metade do século XIX. A Igreja vivia tempos difíceis como a sociedade vivia também. O passado colidia em tudo com o presente, ou vice-versa. O futuro nascia todos dias num berço agitado e em diatribe. A tradição lutava por sobreviver. O progresso lutava com a tradição para se impor. Parecia que o mundo não se entendia no seu devir. Nas relações humanas assim parecia. A política queria dominar a fé. A Igreja lutava e parecia querer perpetuar o velho status quo do Antigo Regime. E ao mesmo tempo abria-se ao mundo, empenhava-se em causas e lutava pela dignidade humana esquecida na marcha do progresso material. Já aqui vimos, o Kulturkampf trouxe ainda mais dissidências, no último quartel do século XIX, a partir da Alemanha unificada.

Edição renovada da Bíblia de Navarra em Português

EDIÇÃO RENOVADA DA BÍBLIA DE NAVARRA EM PORTUGUÊS

Para o leitor comum

Já saiu o primeiro volume da nova Bíblia de Navarra em Português, com quatro grandes novidades:

1– A tradução portuguesa do texto bíblico é a da Difusora Bíblica.

2– O conjunto das notas é praticamente novo. Mais substancial e melhorado, tem uma estrutura interna mais organizada e muitos textos novos. A compreensão da narrativa dentro das sequências de eventos é agora mais intuitiva.

Iniciativa partiu do Conselho Pontifício da Cultura

Vaticano na Bienal de Arquitectura de Veneza

Vaticano leva relação entre arquitectura e espiritualidade à Bienal de Veneza

A relação entre arquitectura e espiritualidade vai estar em destaque no dia 21 de Setembro, numa iniciativa inserida na primeira participação do Vaticano na Bienal de Arquitectura de Veneza.

De acordo com a página online do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (Portugal), trata-se do projecto “Geometrias do Espírito: Uma viagem entre arquitectura, cultura e música”, e vai ser apresentado em conferência de Imprensa no dia 13 de Setembro.

Nossa Senhora Desatadora dos Nós (15 de Agosto)

Nossa Senhora Desatadora dos Nós

A grande devoção do Papa Francisco

A devoção a “Nossa Senhora Desatadora dos Nós” surgiu no século XVII, na cidade de Ausburgo, na Alemanha, mas a sua ampla difusão, sobretudo na América Latina, ficou a dever-se ao então padre Jorge Mario Bergoglio, hoje Papa Francisco, o qual tomara contacto com esta devoção durante o tempo de estudos de especialização em Teologia, naquela cidade.

“Humanae Vitae” foi publicada há 50 anos

A encíclica escandalosa

A encíclica escandalosa.

A Igreja comemorou nestes dias os cinquenta anos da encíclica “Humanae Vitae”, publicada a 25 de Julho de 1968 pelo Papa Paulo VI. O desastre que se seguiu estava anunciado, ninguém tinha ilusões, muito menos o Papa Paulo VI.

Paulo VI publicara encíclicas ao ritmo de mais de uma por ano, desde o início do pontificado: “Ecclesiam Suam” (1964), “Mense Maio” e “Mysterium Fidei” (1965), “Christi Matri Rosarii” (1966), “Populorum Progressio” e “Sacerdotalis Caelibatus” (1967), até à “Humanae Vitae” (25 de Julho de 1968). A partir desse momento, a contestação e a crise foram de tal ordem, que Paulo VI não voltou a publicar nenhuma outra encíclica até ao fim do pontificado, dez anos depois.

Bispos Católicos alertam

Brasil quer legalizar o aborto pela via judiciária

Brasil quer legalizar o aborto pela via judiciária

A Comissão Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), através da Comissão para a Vida e a Família, está a mobilizar os cristãos contra a legalização do aborto, um tema que vai ser discutido entre hoje e segunda-feira.

“A desaprovação ao aborto, no Brasil, não parou de crescer nos últimos anos, mas assistimos actualmente a uma tentativa de legalização do aborto que burla todas as regras da democracia: quer-se mudar a lei mediante o poder judiciário”, afirmam os bispos brasileiros.

Filosofia, uma dentada de cada vez (75)

Quanto à solidariedade

Quanto à solidariedade

Da última vez falámos sobre o terceiro princípio – subsidiariedade. Hoje vamos ver um princípio complementar: o princípio da solidariedade.

Podemos dizer que da mesma forma que o princípio da subsidiariedade emana da dignidade humana (o primeiro princípio), o princípio da solidariedade nasce da necessidade que todos temos de nos esforçarmos pelo bem comum (o segundo princípio).

Numa orquestra, o maestro tem que deixar tocar cada um dos músicos, mas cada um tem que tocar em coordenação com os outros músicos.

Cismas, Reformas e Divisões na Igreja – LXXVI

A política na Igreja – II

A política na Igreja – II

Estava para durar sim, o Kulturkampf. E estilhaçar a Igreja na Alemanha, unificada. A Igreja não esmoreceu, não se deixou abalar, mesmo com Roma ameaçada e sem força internacional. Bismarck, já vimos, foi a peça-chave do Kulturkampf. Para muitos, foi um herói. Em 21 de Março de 1871, Bismarck foi nomeado príncipe e chanceler imperial do Reich. Em um célebre discurso por si proferido, a 14 de Maio de 1872, perante o Reichstag (parlamento alemão), no sentido de demonstrar bem o poder e a independência da Nação Alemã unificada, afirmou perante os parlamentares: «Seien Sie außer Sorge, nach Kanossa gehen wir nicht, weder körperlich noch geistig» (Não tenham receio, não iremos a Canossa nem em corpo nem em alma), recordando a humilhação sofrida pelo imperador germânico Henrique IV, em 1077, quando teve que ir, descalço e apenas com um cilício, em pleno Inverno, pedir perdão ao Papa Gregório VII por não se haver submetido à autoridade papal, no castelo de Canossa, na Itália. A humilhação de Canossa ainda pesava na memória alemã…

Família e Fé

O sentido da realidade

O sentido da realidade

Em certa ocasião, alguém perguntou a Thomas Edison (1847-1931) como se sentia depois de ter fracassado incontáveis vezes na tentativa de fabricar uma lâmpada.

Edison, que foi autor de mais de mil e 200 inventos e transformou este nosso mundo ao aperfeiçoar as primeiras lâmpadas eléctricas de filamento incandescente, terá respondido mais ou menos o seguinte:

«– Eu nunca fracassei, muito pelo contrário. Consegui descobrir, com grande êxito, milhares de procedimentos de como não fabricar uma lâmpada».

Julho é dedicado à Devoção do Preciosíssimo Sangue de Cristo

O sangue redentor do cordeiro de Deus

O sangue redentor do cordeiro de Deus.

São João Baptista apresentou Jesus ao mundo dizendo: «Eis o cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!» (Jo., 1:29). Sem o Sangue desse Cordeiro não haveria Salvação. Em toda a celebração eucarística, de facto, torna-se presente, juntamente com o Corpo de Cristo, o Seu precioso sangue, da nova e eterna Aliança, derramado por todos em remissão dos pecados (Mt., 26:27). Jesus deu o prenúncio do milagre eucarístico nas Bodas de Caná, quando a sua Santa Mãe lhe falava que o vinho da festa tinha acabado, e esperava-se um milagre. Jesus disse: «Mulher, que tem isso a ver contigo e comigo? Ainda não chegou a minha hora» (Jo., 2:4). Jesus sabia que o verdadeiro milagre do vinho que ia deixar iria ser dado na Sua última ceia com os doze (apóstolos), transformado no Seu próprio sangue.

Filosofia, uma dentada de cada vez (74)

Quanto à subsidiariedade

Quanto à subsidiariedade

Já antes estudámos dois importantes princípios que devem governar a vida em sociedade. Dois princípios que nos levam a mais outros dois: a subsidiariedade e a solidariedade. Hoje vamos falar da subsidiariedade, que emana do princípio da dignidade humana.

Já vimos que a dignidade humana vem do facto do homem ser livre e responsável, o que deve ser levado em conta quando falamos de sociedade. Ser-se um membro de qualquer tipo de sociedade (familiar, educativa, institucional, corporativa ou nacional) não deve privar uma pessoa da sua liberdade e capacidade de iniciativa.

Classe Média da Santidade

O mundo das pedras vulcânicas

O mundo das pedras vulcânicas

A recente exortação apostólica do Papa Francisco, dedicada à santidade, evoca o curioso romance de Joseph Malègue, intitulado “Pierres noires: Les Classes moyennes du Salut” (em Português, significa “Pedras Negras: as Classes Médias da Salvação”).

As pedras negras são as pedras vulcânicas que marcam a paisagem e as povoações do Auvergne e do Cantal, regiões da França onde a acção decorre. O tema do livro é a decadência de uma sociedade fechada, um mundo tradicionalista em que a referência ao Cristianismo justificava rendas e privilégios de épocas passadas.

Família e Fé

Jantar juntos

Jantar juntos

Um estudo recente, feito no Canadá e citado por Leonard Sax num dos seus livros, chegou à conclusão de que a preocupação dos pais de jantarem habitualmente com os seus filhos possui uma enorme importância na educação.

No entanto, o estudo especifica o que significa “jantar com os filhos”. Não significa, simplesmente, comer juntos à mesma mesa e no mesmo horário. Isto é necessário, mas não é suficiente.

Cismas, Reformas e Divisões na Igreja – LXXV

A política na Igreja – I

A política na Igreja – I

Não é um tópico novo. Ou sequer é original. É algo que se pode dizer que está até intrinsecamente ligado: Igreja, política… A dimensão do fenómeno político no seio da religião, ou, no caso, na Igreja Católica, é difícil de definir. Na história, na disseminação, na dificuldade de distinguir por vezes ambos os “campos”. Desde a Idade Média, principalmente, que ambas se interligam. Mas já vem desde os alvores do Cristianismo, pelo menos desdém o Édito de Milão de Constantino (313). «A (…) César o que é de César, e a Deus o que é de Deus» (Mc., 12,13-17, Mt., 22,15-22 e Lc., 20,20-26), repetem os Evangelhos a sentença de Jesus, que basicamente pretendia separar a fé e o século, ou o espiritual e o temporal. Vamos ver como se reviveu, ou não, esta advertência de Jesus nos séculos XIX e XX, até hoje…