Jornal O Clarim

Semanário Católico de Macau

Europa, terra de missão, de volta aos primórdios do Cristianismo?
Centrais Todas as Categorias

Reflexão

Europa, terra de missão, de volta aos primórdios do Cristianismo?

Um estudo do Pew Research Center (**), com sede nos Estados Unidos, demonstra que, na Europa, Deus está cada vez mais longe da crença e da vida dos europeus, apesar de a identidade cristã permanecer importante para a maioria.

Seguindo, à letra, um texto da Rádio Renascença, dos inquiridos no estudo, 91% são baptizados e 81% foram educados na fé cristã, mas apenas 71% se afirmam cristãos. Desses, só 22% mantêm uma prática religiosa regular. Alguns dizem que se “distanciaram gradualmente da religião”, outros que “deixaram de acreditar nos ensinamentos religiosos”, e houve quem se tenha afastado devido a “escândalos ou posições adoptadas pela Igreja em relação a temas sociais”. Por países, a percentagem dos que se dizem cristãos é elevada e o primeiro lugar do pódio vai para Portugal, com 83%, seguido de Itália, Irlanda e Áustria, com 80% cada, 77% na Finlândia, 75% na Suíça, 73% no Reino Unido e 71% na Alemanha.
Em Espanha desce para os 66%, 65% na Dinamarca e 64% em Franca, 55% na Bélgica, 52% na Suécia, 51% na Noruega, e 41% na Holanda. Em todos houve um aumento dos que se dizem “não praticantes” e “sem religião”. Em Portugal, onde a Igreja Católica é maioritária, há 35% de “cristãos que vão à Igreja”, 48% “não praticantes” e 15% “sem religião”. A Holanda é o país com menos cristãos praticantes (apenas 15% vão à Igreja) e com mais pessoas “sem religião” (48%). Na Finlândia, apesar da percentagem elevada dos que se dizem cristãos, apenas 9% vão com regularidade à Igreja, havendo 68% “não praticantes”.

De uma forma geral, a identidade cristã da Europa continua a ser considerada importante na maioria dos países, onde muitos inquiridos continuam a educar os filhos como cristãos (70% da população geral, 97% dos “cristãos praticantes” e até 87% dos “não praticantes” garantem que sim). Mas há diferenças que se vão acentuando entre os que, tendo fé, a vivem de maneira diferente: 64% dos cristãos que vão com frequência à Igreja acreditam na descrição bíblica de Deus, mas os “não praticantes” tendem a acreditar num “poder superior ou força espiritual” (51%)…

Estamos numa Europa, a fugir cada vez mais de um Cristianismo querigmático onde o primeiro anúncio de Cristo morto e ressuscitado se dilui numa prática individualista, sem referência ao Cristo total e à comunidade. Urge, pois, activar uma pastoral missionária de iniciação cristã dos que ainda se dizem “cristãos”, e ousar uma evangelização de primeiro anúncio ao estilo apostólico dos primeiros tempos, seguida de uma caminhada catecumenal que leve os europeus a optar livre e conscientemente por Cristo e pela sua Igreja. Para serem muitos ou mesmo maioria? Não necessariamente. Para serem luz e sal nesta Europa que necessita de uma recarga de sentido para a vida e de maior abertura ao outro.

ARTUR DE MATOS 

Director da revista Boa Nova – actualidade missionária

(**) Estudo conduzido em quinze países europeus (Áustria, Bélgica, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Holanda, Noruega, Portugal, Espanha, Suécia, Suíça e Reino Unido), com base em 24 mil entrevistas telefónicas a adultos, realizadas entre Abril e Agosto de 2017.

LEAVE A RESPONSE

Your email address will not be published. Required fields are marked *