Caminho para a Páscoa

O Lava-pés, manifestação de humildade

O Lava-pés, manifestação de humildade.

DECRETO

IN MISSA IN CENA DOMINI

A reforma da Semana Santa, realizada através do decreto “Maxima Redemptionis nostrae mysterio” (30 de Novembro de 1955), determinou que por motivos pastorais se fizesse o Lava-pés a doze homens durante a Missa da Ceia do Senhor, depois da leitura do Evangelho segundo São João, manifestando a humildade e o amor de Cristo para com os seus discípulos.

Na liturgia romana tal rito era conhecido com o nome de “Mandatum do Senhor” sobre a caridade fraterna segundo as palavras de Jesus (cf. Jo 13, 34) cantadas numa das antífonas durante esta celebração.

No exercício de tal rito, os Bispos e os sacerdotes são convidados a conformarem-se intimamente a Cristo «que não veio para ser servido, mas para servir» (Mt., 20, 28), e que, com amor infinito – «até ao fim» (Jo., 13, 1) – deu a vida para salvar todos os homens.

Para manifestar plenamente este significado do rito a todos os que nele participam, pareceu adequado ao Sumo Pontífice Francisco mudar a regra que se lê no “Missale Romanum” (pág. 300, n.° 11) que diz: “Os homens designados, conduzidos pelos ministros…” na forma seguinte: “As pessoas escolhidas entre o povo de Deus, conduzidas pelos ministros,…” (e, consequentemente, no “Caeremoniale Episcoporum”, n.° 301 e n.° 299b: “assentos para as pessoas designadas”). Deste modo, os pastores poderão escolher um pequeno grupo de fiéis que sejam representantes da variedade e da unidade de cada porção do povo de Deus. Tal grupo poderá ser constituído por homens e mulheres, e de modo conveniente, por jovens e idosos, pessoas sãs ou doentes, clero, consagrados ou leigos.

Esta Congregação do Culto Divino e da Disciplina dos Sacramentos, em virtude das faculdades concedidas pelo Sumo Pontífice, introduz tal inovação nos livros litúrgicos do Rito Romano, recordando aos pastores a sua função de instruir adequadamente quer sejam os fiéis escolhidos, como também todos os outros, de modo a que participem neste rito de modo consciente, activo e frutuoso.

Nada obste em contrário.

Sede da Congregação do Culto Divino e da Disciplina dois Sacramentos, 6 de Janeiro de 2016, solenidade da Epifania do Senhor.

Cardeal D. Robert Card Sarah

Prefeito

+ Arthur Roche

Arcebispo Secretário

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *