Jornal O Clarim

Semanário Católico de Macau

Reis Magos seguem estrela ao encontro da Luz do Mundo
Religião Todas as Categorias

Solenidade da Epifania do Senhor tem lugar este domingo

Reis Magos seguem estrela ao encontro da Luz do Mundo (João 8:12).

Com a festa da Epifania, a Igreja celebra a manifestação de Jesus ao mundo. Epifania, palavra de origem grega, significa “manifestação externa”, “aparecimento”. «Para a Igreja crente e orante, os Magos do Oriente, que, guiados pela estrela, encontraram o caminho para o presépio de Belém, são apenas o princípio de uma grande procissão que permeia a história. Por isso, a liturgia lê o Evangelho que fala do caminho dos Magos juntamente com as estupendas visões proféticas de Isaías 60 e do Salmo 72 que ilustram, com imagens ousadas, a peregrinação dos povos para Jerusalém. Os homens vindos do Oriente personificam o mundo dos povos, a Igreja dos gentios: os homens que, ao longo de todos os séculos, se encaminham para o Menino de Belém, n’Ele honram o Filho de Deus e se prostram diante d’Ele. A Igreja chama a esta festa “Epifania” – a manifestação do Divino», explica o Papa emérito Bento XVI.

De acordo com a narração de São Mateus, os Magos, quando chegaram a Jerusalém, primeiro de tudo visitaram Herodes, o rei romano da Judeia, e perguntaram quem era o rei que havia nascido, pois tinham visto aparecer a “sua estrela”. Herodes, que claramente não conhecia a profecia do Antigo Testamento (Miqueias 5:1), perguntou aos sábios sobre o lugar onde deveria nascer o Messias, para que também ele pudesse adorá-lo.

Mateus apresenta Jesus como a luz e a glória de Deus para o povo de Israel, sendo a Ele que os povos vêm em adoração, numa perspectiva universalista, a qual está presente também no pensamento de São Paulo, na segunda leitura do Domingo da Epifania do Senhor.

Guiados pela estrela, os Magos chegaram a Belém, que fica a cerca de dez quilómetros de Jerusalém. Mateus conta que, ao encontrarem o menino na manjedoura, abriram os seus cofres e ofereceram-lhe presentes simbólicos: ouro, incenso e mirra (Mateus 2:1-12). O ouro (destinado aos reis), um presente para Jesus na qualidade de rei; o incenso (que se queima diante dos deuses), um presente para Jesus na qualidade de Deus; e a mirra (usada para o embalsamamento dos mortos), um presente para Jesus na qualidade de homem, já profetizando a sua morte salvífica.

Tendo sido alertados, em sonho, para nada dizerem a Herodes, voltaram para as suas terras por uma outra estrada. Com medo, Herodes mandou matar todas as crianças de Belém que tivessem menos de dois anos de idade.

O evangelista não diz quem são estes reis, nem o seu número, mas a tradição conta que eram três e a eles dá os nomes de Melchior, Baltazar e Gaspar. São denominados “magos” não porque se dedicassem à magia, mas porque tinham grande conhecimento em Astrologia.

Além do Evangelho de São Mateus, há documentos apócrifos no Vaticano, muito antigos e de grande valor, que relatam a visita dos Reis Magos ao Menino Jesus. E um mosaico do século VI, em Itália, refere os nomes dos três Magos.

Santo Agostinho também comentou a adoração dos Reis que vieram do Oriente: “Ó menino, a quem os astros se submetem! De quem é tamanha grandeza e glória de ter, perante seus próprios panos, Anjos que velam, reis que tremem e sábios que se ajoelham! Quem é este, que é tal e tanto? Admiro de olhar para panos e contemplar o céu; ardo de amor ao ver no presépio um mendigo que reina sobre os astros. Que a fé venha em nosso socorro, pois falha a razão natural”.

 

As relíquias dos Reis do Oriente – Segundo São João Crisóstomo, mártir e doutor da Igreja, Patriarca de Constantinopla, os três Reis Magos foram mais tarde baptizados pelo apóstolo São Tomé e muito trabalharam para a expansão da Fé.

O “site” da catedral de Colónia (Alemanha) conta que a mãe do imperador Constantino, Santa Elena, encontrou as relíquias dos Reis do Oriente, na cidade de Sabá, e as transladou até à então capital do Império Romano, Constantinopla, hoje Istambul.

Actualmente, o santuário dos Magos do Oriente encontra-se na catedral de Colónia e é um dos relicários com maior significado da Idade Média. A ornamentação do santuário inclui ouro e prata, painéis de filigrana, pedras preciosas, colunas e arcos. As imagens reflectem episódios da História da Salvação, desde o começo dos tempos até ao Juízo Final.

 

Astrónomo defende a existência da estrela de Belém – O astrónomo Mark Thompson, membro da Royal Astronomical Society de Londres, realizou um estudo científico em que explica a natureza da estrela que conduziu os Reis Magos até Belém, confirmando a narração do Evangelho de São Mateus.

Acerca da estrela de Belém que os Reis Magos viram foram aventadas várias hipóteses: inicialmente, dizia-se que se trata de um cometa, mas estudos de Astronomia revelam que, ao que tudo indica, deveu-se à conjunção dos planetas Saturno e Júpiter na Constelação de Peixes.

Neste sentido, os Reis Magos decidiram muito possivelmente viajar em busca do Messias, dado que na antiga Astrologia o planeta Júpiter era considerado a estrela do Príncipe do Mundo; a Constelação de Peixes o sinal do Final dos Tempos; e o planeta Saturno a Estrela da Palestina. Ou seja, presume-se que os “sábios do Oriente” anteviram que o Senhor do final dos tempos apareceria naquele ano e na Palestina.

Recorrendo a registos históricos e simulações por computador que permitem mapear a posição das estrelas e dos planetas em torno da data em que Jesus nasceu, Thompson defende que naquela época houve um evento astronómico incomum.

De acordo com o académico, entre Setembro do ano 3 a.C. e Maio do ano 2 d.C. houve três conjunções em que o planeta Júpiter e a estrela Regulus passaram perto um do outro. Thompson explica: «Curiosamente, no mundo da Astrologia antiga, Júpiter é considerado o rei dos planetas e Regulus, que é a estrela mais brilhante da Constelação de Leão, a rainha das estrelas. Os três Reis Magos eram considerados por alguns como sacerdotes zoroastristas, que eram astrónomos de renome na época. Quando o rei dos planetas passou tão perto da rainha das estrelas, por três ocasiões, devem ter julgado que se tratava de um facto muito significativo, e interpretaram-no como o nascimento de um novo rei».

Esta teoria, no entanto, não é inteiramente nova. Ela coincide com as apresentadas por outras autoridades da Astronomia em diversas épocas. De facto, a estrela de Belém sempre intrigou filósofos, teólogos e cientistas. A ideia que a famosa estrela resultou de uma conjunção de astros de primeira magnitude já foi defendida por respeitadas autoridades da Astronomia.

Thompson conclui: «Não cabe a mim dizer se realmente a Bíblia está certa ou errada. Eu apresento o mapa dos factos que estão diante de mim».

A estrela que guiou os Reis do Oriente há mais de dois mil anos é hoje Maria Santíssima. Peçamos a Graça a Deus, que Nossa Senhora – luz celeste entre nós – nos guie ao encontro do Senhor, a verdadeira luz do mundo e da alma!

Miguel Augusto 

 com Luiz da Rosa (académico e teólogo) e Aleteia

LEAVE A RESPONSE

Your email address will not be published. Required fields are marked *