Jornal O Clarim

Semanário Católico de Macau

Rota dos 500 Anos
Rota dos 500 Anos Todas as Categorias

Rota dos 500 Anos

Não uma, mas duas passagens de ano

Há opções forçadas que por vezes nos surpreendem, apesar de não serem a nossa primeira escolha. Neste tipo de vida – dependente dos caprichos dos elementos naturais – muito frequentemente tal acontece.

A nossa estada em Curaçao já deveria ter terminado, mas devido a ventos fortes e condições pouco confortáveis para rumarmos a Norte, foi prolongada por mais uns dias. Pelos planos actuais deve estender-se até 8 ou 9 de Janeiro.

Primeiro foi a complicação com o atraso das peças do motor antes do Natal, o que nos forçou a celebrar a quadra nesta ilha. Fizemos a festa em família com um jantar tipicamente português: bacalhau cozido e bolo-rei cozinhado no forno do barco. Houve troca de presentes no dia 25 de manhã e um passeio na praia à tarde.

Cumpriu-se mais uma semana até ao Ano Novo e, desta feita, decidimos convidar os veleiros à nossa volta para se juntarem a nós na celebração da passagem para 2019. Chegámos a ser treze pessoas no poço do Dee já depois da meia-noite. Antes do réveillon falámos com diversas pessoas que vivem na ilha, tendo todos referido que o fogo-de-artifício em volta do ancoradouro era o melhor espectáculo da noite. Também nos aconselharam a dar uma volta na capital, pois havia festa nas ruas, com diversão em vários pontos da cidade.

Depois de conversarmos com os vizinhos de dois barcos holandeses e com um da Austrália e outro de Aruba, decidimos a meio da tarde ir até à cidade para ver os festejos. Para nossa surpresa descobrimos que aqui festejam, não uma mas duas passagens de ano. É que assinalam a mudança de ano no horário da Holanda, o que por aqui correspondeu às 20 horas, e à meia-noite.

Após passearmos pelo meio de milhares de pessoas, vermos o fogo-de-artifício à meia-noite da Holanda e comermos alguns petiscos locais, reunimos o nosso grupo de oito pessoas e regressámos ao ancoradouro para preparar a nossa passagem de ano. Eram 22 horas e 30 minutos quando quatro amigos holandeses, uma amiga australiana e nós os três nos sentámos no poço do Dee, de luzes acesas, para bebermos e comermos o que cada um trouxe. Enquanto esperávamos o espectáculo gratuito, “oferecido” pelos ricos proprietários de centenas de mansões que bordejam a lagoa de Spanish Waters, fomos comendo filhoses, sandes de atum, bolo de canela australiano, bolachas de água-e-sal com queijo holandês, entre outras iguarias, acompanhadas por cerveja chinesa e local, vinhos tintos e brancos dos Estados Unidos e do Chile, e água e sumos variados.

À meia-noite em ponto, já todos preparados com as doze passas na mão – tradição que fizemos questão de explicar a quem não estava familiarizado com este hábito português – esperámos ansiosamente pelas explosões de cor e som em redor do barco. Foram momentos de suspense, que sinceramente valeram a pena. Imaginem o fogo-de-artifício lançado no Ano Novo Chinês em Macau, multiplicado por cem vezes, todo ao mesmo tempo, à volta da lagoa, numa visão privilegiada de 360 graus que no veleiro ninguém quis perder, movimentando-se constantemente no convés para tentar gravar os melhores momentos com telemóveis e câmaras digitais. O espectáculo pirotécnico durou quase 45 minutos, com um barulho distante e um efeito de luz impressionante, sendo de destacar o facto de não ter sido organizado. Tratou-se apenas de famílias, nos jardins das suas casas ou nas praias, a festejarem a entrada em 2019.

O fogo-de-artifício, segundo nos explicaram, é uma tradição trazida pelos europeus. Com a vinda de milhares de comerciantes e investidores chineses para a ilha ganhou outra dimensão. Actualmente todo o “arsenal” vem da China e os tradicionais panchões, alguns com centenas de metros de comprimento, são usados da mesma forma que em Macau, tanto pelos chineses como pelos locais. Quando fomos à cidade vimos vários panchões a serem preparados e outros a rebentarem com o tradicional barulho ensurdecedor. A pequena diferença é que estes panchões não terminam com o tradicional estrondo a que estamos acostumados em Macau. O “tapete” vermelho que fica no chão e o cheiro a pólvora queimada são em tudo iguais ao que ficámos habituados depois de dezassete anos de Ano Novo Chinês.

Terminado o fogo-de-artifício os nossos amigos puxaram de instrumentos musicais e começaram a tocar no poço do Dee. Um espectáculo só para nós, com acordeão, guitarra e clarinete, em que todos participámos – tocando, cantando ou simplesmente batendo palmas. Ao mesmo tempo, íamos continuando a assistir a explosões tardias de fogo-de-artifício que continuavam a iluminar os céus.

Já depois da uma da manhã chegaram mais convidados: a família do veleiro de Aruba, dois adultos e três crianças que ficaram na cidade para verem o fogo-de-artifício à meia-noite e acabaram por lamentar não terem estado connosco no veleiro. Contudo, como vêm a Curaçao todos os anos por esta altura, garantiram que daqui a um ano irão ficar no veleiro deles para poderem testemunhar, com os próprios olhos, o espectáculo que todos havíamos presenciado.

Quanto aos nossos planos, devemos deixar Curaçao rumo a Aruba ou seguiremos directamente para o Haiti. Se as previsões meteorológicas nos derem uma semana de bom tempo, possivelmente apostaremos em fazer a travessia sem parar em Aruba.

João Santos Gomes

LEAVE A RESPONSE

Your email address will not be published. Required fields are marked *