Category Archives: Portugal

Portugal

Os amigos de Carlos D'Assumpção e um atleta do Sporting em Macau

Os amigos de Carlos D’Assumpção e um atleta do Sporting em Macau.

A semana passada terminou com um evento no nosso Food Truck. Foi um Domingo diferente, a servir comida no aniversário de uma família, e seus amigos, numa moradia perto de Montemor-o-Velho. Um modo diferente de apreciarem a nossa comida e que para nós foi o reconhecer do trabalho que temos desenvolvido no último ano.

A venda de comida tailandesa em Portugal, especialmente num meio pequeno como é a Vila de Mira, é um desafio em toda a sua extensão. Desde o facto da comida ser praticamente desconhecida, ao obstáculo de tentar desmistificar o que é a comida da Tailândia.

Patrimónios e o Mundo Rural

Sabor, figos e memórias de Churchill

Sabor, figos e memórias de Churchill

Ainda não há muito tempo, um inquérito nacional revelava que era no universo rural que mais se fazia sentir o ambientalismo. Ou melhor dizendo: o povo português não gosta mesmo nada disso de lixeiras, incineradoras e cemitérios nucleares. Perante tal conclusão, seria de depreender que existe uma consciência ecológica no nosso povo bem amadurecida. Não propriamente. Quando se diz que o povo português não gosta mesmo nada disso de lixeiras, incineradoras e cemitérios nucleares, é só quando estes lhes vêm bater à porta. Por que se for à porta do outro se calhar já pode ser. Ou seja: a sensibilidade ambiental é sobretudo marcada por interesses privados ou locais.

Presidente Marcelo Rebelo de Sousa no Dia de Portugal

«Temos um enorme território espiritual»

«Temos um enorme território espiritual».

O atraso registado no voo presidencial de Marcelo, que nos Açores celebrou o 10 de Junho e que a diferença horária de quatro horas permitiu que fizesse o mesmo (e no mesmo dia) em terras da Nova Inglaterra, deixou-me a passear pela praça da City Hall de Boston, repleta nesse dia de famílias com camisetes e casacos da selecção nacional. «Nunca esta praça viu tanta gente junta. Estarão aqui umas oito mil pessoas», ouvi alguém comentar. Muita dessa gente dispersaria, cansada da espera, ou optaria por assistir ao espectáculo do cançonetista Jorge Ferreira e seu conjunto, embora o grosso se mantivesse de pedra e cal entretido pelas marchas da Filarmónica de St. Anthony e os coloridos pendões empunhados pelos veteranos de guerra luso-americanos, orgulhosos das suas duas bandeiras.

Coisas e Loisas

Os nelenses donos de casinos em Macau

Os nelenses donos de casinos em Macau

Nestes últimos dias temos vivido a emoção de ver a nossa Selecção Nacional de Futebol a preparar-se para o Mundial da Rússia. O nosso primeiro jogo é logo contra a Espanha! A última competição em que Portugal entrou – o Campeonato da Europa, que finalmente ganhámos – foi vivido em Curaçao. Tratou-se de uma experiência única. Juntámos um grupo de portugueses, tailandeses, belgas, brasileiros, austríacos e franceses. Todos sentados em redor da mesa de uma churrasqueira portuguesa. O ambiente foi de festa. No final, até os nossos amigos franceses festejaram com toda a comunidade lusa da ilha holandesa.

Este ano, certamente iremos viver os jogos de Portugal em vários locais, ao sabor dos eventos de “street food” em que vamos participar nos próximos dias. Depois enviarei as respectivas crónicas.

Portugal

O mestre futebol

O mestre futebol

Durante todos estes meses que tenho estado em Portugal há um aspecto da cultura portuguesa que – sinceramente – continuo sem conseguir assimilar na sua plenitude.

A maioria dos portugueses dão uma importância desmedida ao futebol e o tempo que as televisões e rádios dedicam ao tema dá-me a volta à cabeça.

A recente “novela” em redor do clima que se vive na estrutura administrativa do Sporting Clube de Portugal assume níveis escabrosos na sociedade.

Museu do Oriente organizou 1º Festival de Street Food

Comida asiática à beira-Tejo

Comida asiática à beira-Tejo.

No passado dia 20 de Maio, em Lisboa, o Museu do Oriente (Fundação Oriente) organizou, pela primeira vez, um festival de Street Food dedicado à comida asiática.

O evento integrou as comemorações dos trinta anos da Fundação Oriente e da primeira década do Museu do Oriente, que tiveram início a 16 Março e que terminaram no dia 27 de Maio, sob o lema Museu em Festa.

O CLARIM no 101º Aniversário das Aparições de Fátima

D. John Tong, Andrea Bocelli e um navegador solitário

D. John Tong, Andrea Bocelli e um navegador solitário.

No passado dia 13 de Maio fez um ano que o Papa Francisco visitou Portugal e esteve em Fátima como peregrino. Este ano, no início das celebrações dos 101 anos das Aparições, não poderiam deixar passar em claro esse acontecimento. Mas, como sempre, o programa foi mais, muito mais, do que a lembrança da passagem do Sumo Pontífice pelo altar do mundo.

Para além do ambiente festivo, o facto da data ter recaído num fim-de-semana ajudou a que a multidão fosse maior. Não há números oficiais e esses são sempre discutíveis.

Aniversários, Encontros e Romarias

Somos feitos de tradições

Somos feitos de tradições

Os anos que vivi fora de Portugal, mais concretamente desde 1997, e os outros que mesmo estando em Portugal vivi fora da casa onde cresci (desde os meus 16 anos), fizeram com que perdesse muitos dos momentos familiares mais importantes.

Especialmente desde que me fixei em Macau, em Maio de 1997, os pequenos acontecimentos familiares que os meus pais iam vivendo deixaram de fazer parte do meu dia-a-dia. Agora, com este regresso a Portugal, tenho tido a oportunidade de compensar algum tempo perdido.

Antonieta Galdino Dias

Antonieta Galdino Dias

A neurorradiologista de Sua Majestade

Deixou Macau aos dezoito anos de idade e rumou a Lisboa, onde viveu e estudou dois anos, antes de se fixar em Coimbra.

Corria o ano de 1968, Antonieta Galdino Dias embarcou para Hong Kong e depois para a Europa. No Velho Continente foi continuar os seus estudos. O futuro reservava-lhe uma carreira em Neurorradiologia, precedida do curso de Medicina na faculdade em Coimbra.

Francisco Fong

Francisco Fong

Uma viagem de despedida

Nascido na freguesia de Santo António, a 10 de Abril de 1943, é um dos rostos por detrás da iniciativa dos encontros de macaenses no Centro de Portugal.

Francisco Fong deixou Macau com 19 anos, indo para Coimbra em 1962, onde se viria a formar em Medicina, com especialidade em cardiologia, e a exercer a actividade profissional no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra. Durante algum tempo esteve no sector privado da Saúde, mas – como nos confidenciou – rapidamente regressou à exclusividade do Serviço Público.

Ricardo Conceição

Ricardo Conceição

Memórias? Que sejam do passado!

A imagem da Baía da Praia Grande, com as suas casas e palacetes, com a água e a azáfama que ali se vivia, é algo que nunca irá esquecer e que trouxe consigo quando deixou Macau da primeira vez. Corria o ano de 1960, mais concretamente o mês de Novembro, quando no território o clima é ameno e prazenteiro e as pessoas saem à rua ao fim do dia.

Ricardo Conceição, ou doutor Ricardo Conceição, tinha dezassete anos e rumou à “metrópole” para cursar aquilo que o viria a tornar conhecido.

Macaenses em Portugal festejaram o Ano Novo Lunar

Cunquates, prosperidade e boa saúde

Cunquates, prosperidade e boa saúde.

A entrada no ano do cão, como não poderia deixar de ser, foi convenientemente assinalada em Portugal pela comunidade macaense residente nas zonas centro e norte do País. As raízes chinesas que ligam estes portugueses ao território de Macau passam, certamente, pela celebração dos seus principais festivais. Assumidamente católicos, como é parte essencial do ser e sentir-se macaense, não deixam por isso de assinalar o seu lado cultural mais chinês.

O grupo de amigos Filo, Filo di Macau decidiu este ano prestar uma merecida homenagem ao grupo de pessoas que deram início a estes encontros, especialmente aos médicos Ricardo Conceição, Francisco Fong e Beatriz Vasco da Silva.

Enquanto o Cão não chega

Enquanto o Cão não chega

Entre o frio de Mira e o calor de Curaçao.

As minhas crónicas a partir de Portugal intercalam as nossas vivências na “metrópole” com assuntos ligados a Macau – observações da actualidade do território, com a devida distância que a Europa nos proporciona.

Quem me conhece e acompanha nestas coisas da escrita sabe que sempre fui crítico, muitas vezes com razão de o ser; outras vezes sem qualquer fundamento! No entanto, é a minha opinião e espero ir ao encontro de muitos leitores.

Mira, Arte Xávega e Desertificação

Salvar as futuras gerações

Salvar as futuras gerações.

O nosso futuro começa a ser definido a cada dia que passa e para isso contribui tudo o que nos rodeia, tanto as pessoas como o próprio Ambiente.

Durante este período de permanência em Portugal, por motivos de saúde como os nossos leitores sabem, estamos instalados na minha terra natal, a Vila de Mira, no distrito de Coimbra. A terra que me viu crescer, onde estão as raízes do que me define.

Quando a Minoria subjuga a Maioria

O Natal está a ser islamizado

O Natal está a ser islamizado.

Nesta primeira crónica do ano quero aproveitar para desejar a todos os leitores d’O CLARIM um excelente 2018.

Em 2017 muito aconteceu, em especial em Portugal, país onde nasci, mas onde já não vivia a tempo inteiro desde o ido ano de 1997.

A minha estada em Portugal é, como sabido, forçada por motivos de saúde e, se tudo correr como esperado, deverá terminar no início de Novembro. Nessa altura esperamos reatar a viagem de veleiro que iniciámos em Janeiro de 2014 e que tivemos de interromper em Setembro de 2016. Nunca tinha estado em Portugal tanto tempo desde o dia em que daqui sai para ir para Macau.