Bispo preparou a Diocese para o pós-1999

Diplomata, inteligente e amigo. O último bispo português de Macau, D. Arquimínio Rodrigues da Costa, teve a visão de preparar a Igreja do território para o período pós-1999. O padre João Lau, Ler Mais

Dois episódios extraídos dos arquivos d’O CLARIM

Testemunhos de fé. A propósito do falecimento de D. Arquimínio Rodrigues da Costa, O CLARIM partilha dois episódios do prelado açoriano com recurso às vetustas edições que mantém em arquivo: a sagração Ler Mais

Santo Padre Pio de Pietrelcina

Amor profundo a Jesus Cristo, imolando-se pela salvação do mundo. Celebra-se hoje o santo Padre Pio de Pietrelcina, nascido no dia 25 de Maio de 1887 e que partiu para Deus no Ler Mais

A Diáspora Chinesa em Portugal – 1

Uma forma auto-suficiente de estar na sociedade. Com a aproximação de mais um aniversário da fundação da República Popular da China, O CLARIM analisa, nesta e na próxima edição, o fenómeno da Ler Mais

José Manuel Simões lançou “Deus Tupã”

Brasil em trilogia literária. José Manuel Simões apresentou ontem, no Consulado Geral de Portugal em Macau, o romance histórico “Deus Tupã”. A mais recente obra do professor da Universidade de São José Ler Mais

 

Bispo preparou a Diocese para o pós-1999

D. Arquimínio Rodrigues da Costa

Diplomata, inteligente e amigo.

O último bispo português de Macau, D. Arquimínio Rodrigues da Costa, teve a visão de preparar a Igreja do território para o período pós-1999. O padre João Lau, José Luís Sales Marques, Eduardo Tavares, José Maria Bártolo e Evaristo Antunes falam de um homem paciente, compreensivo, virtuoso, tolerante, recto e bondoso.

Dois episódios extraídos dos arquivos d’O CLARIM

Testemunhos de fé

Testemunhos de fé.

A propósito do falecimento de D. Arquimínio Rodrigues da Costa, O CLARIM partilha dois episódios do prelado açoriano com recurso às vetustas edições que mantém em arquivo: a sagração como bispo de Macau, na qual aparecem menções a Ho Yin, e a reprodução parcial de uma mensagem pascal em que fala sobre a ressurreição.

Santo Padre Pio de Pietrelcina

SANTO PADRE PIO DE PIETRELCINA

Amor profundo a Jesus Cristo, imolando-se pela salvação do mundo.

Celebra-se hoje o santo Padre Pio de Pietrelcina, nascido no dia 25 de Maio de 1887 e que partiu para Deus no dia 23 de Setembro de 1968, considerado por muitos como um “santo gigante” da Igreja Católica – tendo sido milagre vivo entre nós – descendente de São Francisco de Assis, da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos. Nenhum fiel fica indiferente perante o Padre Pio. A partir do momento em que se vai ao seu encontro o nosso coração se abre e ele entra na nossa vida para nunca mais sair.

A Diáspora Chinesa em Portugal – 1

A DIÁSPORA CHINESA EM PORTUGAL – 1

Uma forma auto-suficiente de estar na sociedade.

Com a aproximação de mais um aniversário da fundação da República Popular da China, O CLARIM analisa, nesta e na próxima edição, o fenómeno da diáspora chinesa em Portugal.

País tradicionalmente fornecedor de emigrantes, Portugal é hoje um destino de imigrantes. Muitos deles vindos da China. Sobre a sua presença e a forma como se organizam e se vão adaptando à realidade portuguesa, tem-se debruçado nestes últimos tempos o historiador Alfredo Gomes Dias, durantes largos anos residente em Macau.

José Manuel Simões lançou “Deus Tupã”

DEUS TUPÃ

Brasil em trilogia literária.

José Manuel Simões apresentou ontem, no Consulado Geral de Portugal em Macau, o romance histórico “Deus Tupã”.

A mais recente obra do professor da Universidade de São José retrata uma “desventura com a chegada de Mem de Sá ao Brasil em 1552”, cujo final acontece “quatrocentos e cinquenta anos após DuArte, português de Coimbra” ter encontrado “Itapuã até às entranhas”, segundo a sinopse da obra publicada pela “media XXI”.

Capa 23-09-16

Velha Goa

Ao encontro dos avós indo-portugueses

Ao encontro dos avós indo-portugueses

Os roteiros turísticos dizem-nos que “Velha Goa” é hoje uma cidade fantasma. Não tivemos, porém, oportunidade de confirmar isso aquando da celebração dos quinhentos anos de São Francisco Xavier, já que, sempre que lá estivemos, deparámos com um movimento permanente, um fervilhar constante de gente.

O nosso tempo

O embaraço da lei

O embaraço da lei

Numa viagem de autocarro que fiz, no interior de Portugal, neste último Verão, tive como companheiros de ocasião, por duas curtas horas, um simpático octogenário e sua mulher, ambos emigrantes no Brasil há quase quatro décadas.

Homem de muitos ofícios e habituado por isso aos múltiplos desafios da vida, o meu simpático interlocutor não se esquivou ao desafio de uma animada conversa.

Almoço diversificado

ALMOÇO DIVERSIFICADO

O secretário para a Economia e Finanças, Lionel Leong, almoça com os directores e editores dos Órgãos de Comunicação Social em língua portuguesa e inglesa. A diversificação económica foi o prato forte do repasto.

Em Portugal

Rota dos 500 Anos – Em Portugal

A tripulação do Dee viajou para a Europa num voo da “low-cost” TUI, com destino a Amesterdão, na Holanda. Dali viemos de carro porque não queríamos que o Noel fosse submetido a outra viagem de avião. Para além de serem traumatizantes para os animais as viagens em locais confinados e sob uma atmosfera pressurizada, não seria fácil encontrar uma companhia aérea que transportasse um buldogue francês para Portugal a partir da Holanda. Decidimos então arranjar um carro e conduzir em direcção a terras lusas.

Chamada para a grandiosidade (14)

Um dever, sempre e em qualquer lugar

Um dever, sempre e em qualquer lugar

Foi uma visão encantadora. A menina aproximara-se da máquina de venda automática de bilhetes, colocada no interior de uma estação do MRT (metropolitano) de Taipé. Seguindo as instruções verbais da máquina, conseguiu concretizar a aquisição. E quando a máquina a informou que o bilhete estava pronto, aproximou-se para o recolher, fez uma vénia e disse «xie xie» (Obrigado).

O “fantasma” dos impostos

O “fantasma” dos impostos

Andam por aí alguns portugueses muito preocupados e exaltados com a intenção do Governo em lançar mais impostos sobre a riqueza, no próximo Orçamento Geral do Estado para 2017, declarando permanentemente que Portugal caminha para o abismo.

Referindo-me ao tão badalado imposto, antes mesmo de se conhecer os detalhes e o conteúdo desta nova fiscalidade, dizem que é “um acto criminoso”, que é “um ataque à classe média”, que é “um atentado à economia de Portugal”, etc….

A Terra Santa IV

O Regresso do Cativeiro

O Regresso do Cativeiro

Estávamos no ano de 538 a.C. Soava a liberdade para os judeus no cativeiro da Babilónia. O decreto de Ciro, o persa, novo senhor do Oriente, permitia aos judeus cativos na Babilónia regressarem a casa, à pátria de Israel, e juntarem-se aos que por lá ficaram, dominados. Mas, na realidade, as coisas não se passaram exactamente assim. Grande parte dos judeus fica na Babilónia, pois acabaram por progredir e ter êxito, propriedades e fortuna. Regressaram os sacerdotes e funcionários do Templo, os guardiães da tradição judaica.

Costa da memória

A feitoria de Arguim

A feitoria de Arguim

Era aos correspondentes dos actuais bidan que os navegadores portugueses compravam os escravos negros, juntamente com o ouro. Primeiro no Rio do Ouro e posteriormente no Cabo Branco (Nouadhibou) e no golfo de Arguim, onde seria estabelecido um entreposto comercial em meados do século XV. Começou por ser, em 1445, uma simples feitoria; só mais tarde, em 1461, a mando de Soeiro Mendes, se ergueu o forte, como indica João de Barros: “E em 1461, el-rei Dom Afonso mandou Soeiro Mendes fidalgo de sua casa fazer o castelo”.

Para Adultos

A Família, transmissora dos Valores e Virtudes Humanas

A Família, transmissora dos Valores e Virtudes Humanas

“Vários são os âmbitos educativos: a escola, a família, os meios de comunicação, a catequese e outros. Uma boa educação escolar em tenra idade coloca sementes que podem produzir efeitos durante toda a vida. Mas quero salientar a importância central da família, porque é o lugar onde a vida, dom de Deus, pode ser convenientemente acolhida e protegida contra os múltiplos ataques a que está exposta, e pode desenvolver-se segundo as exigências de um crescimento humano autêntico. Contra a denominada cultura de morte, a família constitui a sede da cultura de vida.